Archive for maio, 2012


A verdade precisa ser fundamentada, caso contrário ela é fantasia.

Ou mentira.

Esses senhores já passaram da idade da fantasia.

Ao dizer que a revista Veja interpretou as informações que possuía, Gilmar Mendes acabou colocando a publicação semanal em péssima situação.

Se “interpretou” então a informação não era exatamente aquela.

E qual era a informação da Veja? Se é que ela tinha alguma, além da mentira…

Em sua afirmação, Gilmar Mendes fala de várias pessoas.

“A Veja compôs aquilo como uma colcha de retalhos, a partir de informações de várias pessoas, depois me procuraram.”

Porém não fala quem são essas pessoas.

Ridículo: Quem acusa sem provas, além de processado, sofre grande perda de credibilidade

Do Viomundo:

CartaCapital: Agora,Mendes insinua que Jobim também tentou “chantageá-lo”

30/05/2012

A insinuação de que Jobim tentou “chantagear” Mendes foi feita pelo ministro em entrevista ao jornal Valor Econômico. Segundo ele, isso teria ocorrido quando Jobim citou, durante a conversa do trio, o nome de Paulo Lacerda, ex-diretor-geral da Polícia Federal.

Lacerda e Mendes são inimigos políticos desde 2008. Lacerda perdeu o cargo após denúncias de que teria mandado grampear o gabinete de Mendes no STF. A revista Veja publicou a denúncia, mas ela jamais foi comprovada e os grampos nunca apareceram. Em entrevista ao Estado de S.Paulo, também publicada nesta quarta-feira 30, Gilmar Mendes afirma ter recebido notícias de que Lacerda quer “destruí-lo”.

Questionado pelo Valor Econômicose, ao citar o nome de Lacerda, Jobim estaria tentando fazer uma chantagem, Gilmar diz que “Pode ser”. Em seguida, Mendes afirma “que Jobim participou da conversa inteira” e que, “uma ficha caiu”. “Isso é possível, vamos constrangê-lo com Paulo Lacerda. Não sei se é isso”, diz Mendes.

A frase “não sei se é isso” no fim da fala demonstra que Mendes pode estar, em meio à imensa polêmica criada, reinterpretando os fatos ocorridos na reunião com Lula e Jobim e tentando dar a eles uma lógica. O que pode ser um problema para Mendes é que essa lógica agora é guiada pelo clima de rivalidade clubística em torno do caso. Neste contexto, Mendes não tem como recuar das denúncias feitas, num comportamento parecido com o que manteve no episódio do “grampo”.

É importante notar que o tom de histeria a respeito do caso foi dado, em grande medida, pela reportagem de Veja. A revista afirma que Lula “ofereceu proteção ao ministro Gilmar Mendes, dizendo que ele não teria motivo de preocupação com as investigações” para só depois dizer que isso teria ocorrido de forma “decodificada”. Em entrevista à TV Globo, levada ao ar pela GloboNews na noite de segunda-feira 28, Mendes negou uma oferta direta de proteção feita por Lula. Nas reinterpretações que vem fazendo da reunião, Mendes parece estar buscando argumentos para provar a si próprio que foi vítima do que seria um acha que político por parte de Lula.

Em entrevista ao jornal O Globo, publicada nesta quarta, Mendes diz que a revista interpretou as informações que possuía. “A Vejacompôs aquilo como uma colcha de retalhos, a partir de informações de várias pessoas, depois me procuraram. Óbvio que ela tem a interpretação. O fato na essência ocorreu”, disse. O que não se sabe é quem seriam as “várias pessoas” citadas por Gilmar, uma vez que a reunião tinha apenas três integrantes: ele, Jobim e Lula.

Gilmar agora afirma que Jobim participou da conversa inteira.

Diferente da afirmação anterior, quando Lula fez a pressão em uma conversa reservada.

Os termos “Pode ser” ou “não sei se é isso” não são característicos de um magistrado.

Um membro do Poder Judiciário deveria se pautar por provas materiais.

E, através delas, fazer seu julgamento.

Deveria ser um exemplo.

Deveria saber que equidade, imparcialidade, isenção e neutralidade não são apenas palavras.

Porém, quem procura uma revista que está sendo investigada por ligações com o crime organizado (clique aqui), não se encontra em condições de fazer julgamentos.

E Gilmar Mendes é mais que um simples magistrado. É membro do Supremo Tribunal Federal.

A justiça brasileira está em débito com o cidadão, carente de uma justiça rápida e eficaz.

Carente e cansado.

Não é de hoje que o Poder Judiciário é visto com restrições pelo cidadão carente.

E o comportamento de Gilmar Mendes não ajuda muito…

Veja também:

A justiça que agoniza: Sem provas, Gilmar Mendes acusa Lula de ajudar ‘bandidos’.

Lula não ficou sozinho com Gilmar Mendes, diz Jobim

Imagem:baraunaatual.blogspot.com

Agora virou bagunça!

Todo cidadão que tiver desafetos, está livre para acusá-lo, sem a necessidade de provas.

Veja o exemplo do acusador Gilmar Mendes, famoso por ajudar bandidos.

Notem que esses não precisam ficar entre aspas. São BANDIDOS mesmo!!

Roger Abdelmassih cometeu mais de 50 estupros e foi preso.

Porém, devido a uma decisão de Gilmar Mendes (clique aqui), o médico estuprador foi solto e fugiu (possivelmente para o Líbano).

Condenado a mais de 200 anos de prisão (clique aqui), é bem provável que jamais pague pelos crimes cometidos.

Talvez, o ministro pense como um velho político de São Paulo que diz: ‘Estupra, mas não mata’.

E a sociedade brasileira? Que busca por JUSTIÇA.

Encontra justiça no ministro Gilmar Mendes?

E o nome que vem à cabeça, quando se fala em ajudar ‘bandidos’? Será mesmo o de Lula?

Gilmar Mendes é o melhor ministro do STF. Pergunte ao dr. Abdelmassih. Se conseguir encontrá-lo…

Do MSN:

Gilmar Mendes acusa Lula de ajudar ‘bandidos’

30/05/2012

Em 19 minutos de entrevista, Gilmar Mendes afirmou que ‘gângsteres’ e ‘bandidos’ tentam ‘melar’ o julgamento do mensalão. O ministro afirmou que o ex-presidente era a central de divulgação de informações, segundo ele, falsas, de que teria recebido favores do esquema comandado pelo contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

‘Chantagistas, bandidos, desrespeitosos’, repetiu o ministro, com o tom de voz alterado, durante entrevista na tarde de terça na entrada da sessão de julgamentos da 2.ª Turma do STF. Segundo ele, o objetivo do grupo de ‘gângsteres’ era atrapalhar o julgamento do mensalão por meio da divulgação de informações mentirosas de que a Corte estaria envolvida em corrupção.

O ministro afirmou que os ‘bandidos’ também tentaram fazer isso com o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, que é o responsável pela acusação contra os réus do mensalão. Segundo ele, Lula seria a central das informações. ‘Eu acho que ele está sobreonerado com isso. Quer dizer, estão exigindo dele uma tarefa de Sísifo.’

Homens honrados, quando chamados de ‘bandidos’, não se calam.

Não podem se calar.

Eles construíram sua vida com trabalho.

Homens honrados não dormem, não tem paz de espírito.

Seu nome é seu maior patrimônio. Por vezes o único.

Lula, que ajudou milhões de trabalhadores dignos, saindo do governo com aprovação maciça, não pode permitir tamanha afronta.

Afinal, todos os brasileiro ajudados por Lula (e que não são ‘bandidos’), estão ofendidos.

Veja também:

#GilmarMentes soltou Naji Nahas, Daniel Dantas, o bicheiro Ivo Noal e o estuprador Abdelmassih entre muitos outros. E você? Confia nele?

Gilmar, de mãos dadas com Demóstenes, de mãos dadas com Cachoeira, de mãos dadas com a Veja…

Imagem: revoltadosonline.blogspot.com

Velhos amigos: Enteada de Gilmar Mendes tinha cargo de confiança no gabinete do senador Demóstenes

O magistrado que afirma ter sido pressionado por Lula (clique aqui) dentro da cozinha do escritório de Nelson Jobim, até agora não apresentou provas.

Sua maior prova poderia ser o testemunho do e ex-ministro da defesa e ex-presidente do STF.

Mas Nelson Jobim afirmou que a conversa em que Lula pressiona Gilmar Mendes não existiu.

Afirma também que Lula e Mendes não ficaram nem por um instante em conversa reservada.

Nem tampouco estiveram em sua cozinha, mas ficaram o tempo todo na sala (clique aqui).

Ou seja, a prova testemunhal de Gilmar Mendes foi para o espaço.

Então a Veja, que durante anos foi cavalgada por Carlinhos Cachoeira (clique aqui e aqui) e não tinha mais crédito algum para falar em política, acabou se enterrando de vez no descrédito.

E, levou consigo o ministro do STF.

Sem dúvida, eles contavam com o apoio de Nelson Jobim.

Agora, caso Mendes e a Veja não consigam comprovar as acusações, as consequências poderão ser funestas…

O senado pode até mesmo abrir um processo de cassação contra um magistrado mentiroso.

Para Mendes ter o cargo ameaçado por conduta incompatível com a honra, dignidade e decoro do cargo não é novidade (clique aqui).

E o PT, que muitos já não credenciam como um partido combativo, pode pedir a convocação de Policarpo e Civita.

Pode agora ir com tudo para cima da revista que tentou destruir seu maior líder.

Veja também:

Gilmar Mendes concede liberdade ao médico Roger Abdelmassih

Gilmar Mendes manda soltar Celso Pitta e Naji Nahas

Senado exonera enteada de Gilmar Mendes do gabinete de Demóstenes

Imagem: blogdodecio.com.br

O que acontece, quando um deles cai no buraco?

Os demais “amigos” farão tudo para tirá-lo de lá.

E tudo pode incluir e que não é digno.

E nem lícito…

DeO GLOBO:

Lula pressiona Gilmar Mendes para adiar mensalão, diz Veja

Se repararmos bem, o jornal deixa claro que É A VEJA quem diz que Lula pressiona.

Como se prevendo que a “verdade” logo seria desmentida.

Mas, por que Gilmar Mendes procurou a Veja?

Será porque a revista é a mais indicada a publicar escândalos, sem se preocupar em verificar a verdade dos fatos?

Mãos dadas: Cachoeira tratava com a Veja, Demóstenes tratava com a Veja… Adivinha quem Gilmar procurou?

Os cães da revista semanal, acostumado ao jornalismo de esgoto, já estão mostrando os dentes (clique aqui e aqui).

Agora Nelson Jobim, ex-presidente do STF, desmente Gilmar Mendes.

Da Carta Capital:

Lula não ficou sozinho com Gilmar Mendes, diz Jobim

O ex-ministro da Defesa Nelson Jobim afirmou no sábado 26 que o encontro entre o ex-presidente Luiz Inácio Lua da Silva e o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes aconteceu na sala de seu escritório e que em momento algum os dois ficaram sozinhos para tratar de assuntos que não fossem questões “genéricas”.

A versão desmente a conversa relatada por Gilmar Mendes à revista Veja segundo a qual, em conversa reservada, Lula sugeriu ao ministro do STF ajuda na CPI do Cachoeira em troca de apoio para adiar o julgamento do mensalão.

O encontro teria acontecido no escritório de Jobim. No sábado, ao ser questionado pelo jornal O Estado de S.Paulo sobre o episódio, o também ex-ministro do STF reagiu: “O quê? De forma nenhuma, não se falou nada disso. O Lula fez uma visita para mim, o Gilmar estava lá. Não houve conversa sobre o mensalão.”

Segundo o jornal, Jobim disse, sem entrar em detalhes, que em nenhum momento Gilmar e o ex-presidente estiveram sozinhos ou falaram na cozinha do escritório, como relatou revista. ”Tomamos um café na minha sala. O tempo todo foi dentro da minha sala, o Lula saiu antes, durante todo o tempo nós ficamos juntos.”

O ex-presidente do STF, ministro Gilmar Mendes fez uma gravíssima denúncia contra um ex-presidente da República.

E foi desmentido por outro ex-presidente do STF.

A Veja foi ainda mais longe…

Veja disse que Lula acionaria o presidente da Comissão de Ética Pública da Presidência, Sepúlveda Pertence para apoiar a estratégia de adiar o julgamento. Procurado pelo Estadão, Pertence negou: “Não fui procurado e não creio que o ex-presidente Lula pretendesse falar alguma coisa comigo a esse respeito”.

Gilmar Mendes pode ser denunciado por falta de decoro, por sustentar falso grampo, por ter envolvido outros ministros nessa farsa de agora, por ter caluniado o ex-presidente Lula. São fatos graves que indicariam até mesmo um pedido de impeachment do magistrado (clique aqui).

Cassar Demóstenes é uma coisa. Será que o senado brasileiro teria peito para cassar um ministro do STF?

Veja também:

A covardia de Alckmin e a greve no Metrô: Governador não cobre nem mesmo as perdas da inflação…

Caras de pau!! Veja os 29 parlamentares brasileiros que defendem o trabalho escravo!!

Imagem: fr.freepik.com

Meu dia de trabalho já acabou.
Porém não tenho a menor idéia de quando vou conseguir chegar em casa.
O sr. Alckmin teve meses para negociar um aumento digno para os funcionário do Metrô, antes da data-base (1º de maio).
Estamos quase no final de maio e agora o Metrô chega com 5,71%, que não cobre nem os 6,5% da inflação de 2011.
QUE VERGONHA!!!

Do UOL:

Inflação em 2011 fica em 6,5%, quase estoura meta e é a maior em sete anos

06/01/2012

Da RedeBrasilAtual:

Metrô sobe proposta, e trabalhadores fazem nova assembleia

23/05/2012

Em audiência realizada no início da tarde de hoje (23) no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 2ª Região, em São Paulo, a Companhia do Metropolitano (Metrô) elevou de 5,71% para 6,17% (entre reposição e aumento real) a proposta de reajuste salarial na data-base (1º de maio), entre outros itens. A proposta será levada à assembleia prevista para esta tarde na sede do Sindicato dos Metroviários, na zona leste da capital paulista. A avaliação é de que houve avanço na negociação – e, por isso, a greve iniciada à zero hora pode terminar ainda hoje.

Os trabalhadores estão demonstrando boa vontade em discutir uma proposta ridícula.

Nem mesmo os 6,17% (entre reposição e aumento real), que foram oferecidos hoje pelo Metrô, merecem respeito.

Aumento real??? Não me façam rir…

Os 6,17% também não cobrem a inflação!!

Culpar os trabalhadores pela paralização que castiga São Paulo é, no mínimo, uma grande covardia.

Quase tão grande quanto um governador que se vale de seu poder para achatar o salário dos trabalhadores.

Veja também:

Caras de pau!! Veja os 29 parlamentares brasileiros que defendem o trabalho escravo!!

São Paulo, a capital do ‘mundo cão’: Kassab ao retirar camelôs do centro, expulsa também deficientes físicos!!

Imagem: noticias.uol.com.br

Falando em escravidão, para ter liberdade precisamos ter informação.

Então, vamos à ela.

Esses parlamentares são minoria, porém são uma ameaça considerável.

Eles ameaçam a liberdade, a cidadania…

Ameaçam a democracia.

Um país que se aproveita de trabalho escravo, nunca será livre!!

Nunca será sério…

Da Câmara Federal:

Plenário aprova PEC do Trabalho Escravo

22/05/2012

O Plenário da Câmara acaba de aprovar, em segundo turno, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 438/01, do Senado, que permite a expropriação de imóveis rurais e urbanos onde a fiscalização encontrar

exploração de trabalho escravo, e os destina à reforma agrária e a programas de habitação popular. A proposta é oriunda do Senado e, como foi modificada na Câmara, volta para exame dos senadores.

A proposta foi aprovada com 360 votos favoráveis e 29 votos contrários, além de 25 abstenções.

Veja abaixo os parlamentares que, em pleno século 21, ainda defendem escravocratas.

Do DEM                                                             

01 Abelardo Lupion PR Não

02 Lira Maia PA Não

03 Luiz Carlos Setim PR Não

04 Paulo Cesar Quartiero RR Não

05 Ronaldo Caiado GO Não

Do PDT                                                                   

06 Giovanni Queiroz PA Não

Do PHS

07 José Humberto MG Não

Do PMDB

08 Alceu Moreira RS Não

09 André Zacharow PR Não

10 Antônio Andrade MG Não

11 Edio Lopes RR Não

12 Júnior Coimbra TO Não

13 Marinha Raupp RO Não

14 Valdir Colatto SC Não

Do PP

15 Beto Mansur SP Não

16 Carlos Magno RO Não

17 Luis Carlos Heinze RS Não

18 Nelson Meurer PR Não

Do PR

19 Bernardo Santana de Vasconcellos MG Não

Do PSC

20 Nelson Padovani PR Não

Do PSD

21 Eduardo Sciarra PR Não

22 Francisco Araújo RR Não

23 Guilherme Campos SP Não

24 Homero Pereira MT Não

25 Irajá Abreu TO Não

26 Marcos Montes MG Não

27 Raul Lima RR Não

Do PSDB

28 Berinho Bantim RR Não

Do PTB

29 Nelson Marquezelli SP Não

Nós podemos escolher.

Podemos concordar, podemos discordar…

Podemos, até mesmo discutir.

E discutimos mesmo!

Agora, como podemos ter paz, sabendo que nem todos tem direito a escolha?

Nem todos tem direito a liberdade…

Clique aqui e veja a lista completa dos parlamentares votantes.

Veja também:

São Paulo, a capital do ‘mundo cão’: Kassab ao retirar camelôs do centro, expulsa também deficientes físicos!!

ANTES NÃO TINHA, AGORA TEM AINDA MENOS… Prefeitura de São Paulo gasta seu dinheiro com aparelho de tomografia para deixá-lo mofando em uma caixa!!

Imagem: acensura.blogspot.com

O prefeito Kassab, que combate a sacolinha nos mercados, mas não mexe com as garrafas PET dos refrigerantes (clique aqui e aqui).

Que multa o cidadão pelos buracos da calçada, mas se mostra incapaz de acabar com os buracos das ruas (clique aqui).

É o mesmo que trata os camelôs como criminosos, mas permite que um diretor corrupto adquira mais de cem imóveis em sete anos (clique aqui e aqui).

Cerca de 270 deficientes físicos estão sendo tratados como bandidos.

Do UOL:

 

Kassab dá 1 mês para camelôs saírem do centro

22/05/2012

Após retirar das ruas 15 mil camelôs nos últimos seis anos, o prefeito Gilberto Kassab (PSD) revogou as licenças dos 470 ambulantes que ainda trabalhavam nas ruas do centro, como na região da Rua 25 de Março, o maior reduto do comércio popular de São Paulo, e na Praça da Sé. Todos têm um mês para desocupar as calçadas, segundo portaria publicada no sábado no Diário Oficial da Cidade. A medida atinge 270 deficientes físicos.

A Prefeitura também cassou os Termos de Permissão de Uso (TPUs) de 512 ambulantes que tinham licença para trabalhar em ruas de Pinheiros e Lapa, na zona oeste, e de São Miguel Paulista, na zona leste, totalizando com os do centro quase mil. As licenças remanescentes devem ser revogadas nos próximos dias – o plano da Prefeitura é banir todos os camelôs da cidade.

 

Kassab é mesmo um fenômeno de popularidade…

Kassab alega que “a maioria dos ambulantes trabalhava com carga roubada e produto pirata”.

Se ele sabe, por que a Secretaria da Segurança Pública não trabalha, coibindo a venda?

Será que eles não sabem?

Na verdade, quando o dente dói, é bem mais fácil arrancar do que tratá-lo.

É bem mais fácil culpar TODOS os ambulantes e bani-los.

Hoje os ambulantes são perseguidos.

E amanhã, quem será?

Veja também:

vc repórter: buraco em rua de São Paulo completa 2 anos

 

Calçadas: prefeitura de São Paulo não orienta, mas multa

Imagem: souchocolateenaodesisto.blogspot.com

Enquanto isso o cidadão mofa na fila…

O equipamento foi pedido há sete anos, no início da administração Serra.

E chegou somente no final do ano passado.

Chegou, porém não tem previsão de instalação.

Da Folha:

Prefeitura de SP deixa aparelho de tomografia novo na caixa

21/05/2012

Um aparelho de tomografia foi entregue ao Hospital Municipal Tide Setúbal, em São Miguel Paulista, no extremo leste de São Paulo, mas continua guardado dentro de uma caixa e sem uso desde o final do ano passado. O equipamento havia sido pedido há sete anos.

Serra e Kassab: Será que São Paulo sobreviverá a eles?
Serra e Kassab: Será que São Paulo sobreviverá a eles?

Veja também:

Tucanolândia: Relatório do Metrô entrega Alckmin. Enquanto cresce o número de passageiros ele diminui investimentos

Os bastidores da ditadura: Arquivos dos EUA deverão ajudar a Comissão da Verdade

Imagem:ultimosegundo.ig.com.br

Pelo jeito, o único aumento a que o cidadão tem direito, é o da tarifa.

Colocar mais trens na linha já não adianta.

Muito menos colocar mais passageiros no trem!

Na verdade, andar na linha 3 do Metrô é viajar pelo inferno.

Será que o paulistano merece começar um dia de trabalho dessa maneira?

Buscando um pouco de conforto, muitos acordam mais cedo e embarcam no sentido contrário 

Do UOL:

Passageiros aumentam, mas governo reduz em 20% investimentos na linha 3 do metrô de SP

 

17/05/2012

A cada dia mais lotada, a linha 3-vermelha do metrô de São Paulo, cenário da colisão entre dois trens na manhã de ontem (16), recebeu menos investimentos do governo do Estado na comparação entre os anos de 2010 e 2011.

De acordo com dados do próprio Metrô, no total, foram investidos na linha R$ 236 milhões no ano retrasado, contra R$ 188 milhões do ano passado –o que representa uma retração de 20,4%. No mesmo período, o número de passageiros transportados saltou de 329 milhões para 336 milhões –aumento de 1,91%.

A linha 3 é o principal meio de transporte da população que vive na zona leste, região mais populosa da capital, cortada ao meio pela malha metroviária. Por conta disso, a linha é a campeã no número de passageiros transportados entre todas as linhas da capital paulista, que tem o metrô mais lotado do mundo.

Comparar nosso metrô com o da Cidade do México (que tem quase a mesma idade) é uma covardia.

O metrô mexicano tem 11 linhas, 175 estações e 177 km de linhas. Bem à frente das nossas modestas 5 linhas,  64 estações e 74,3 quilômetros de linhas (clique aqui e aqui).

E olha que a Cidade do México não está localizada em um país considerado rico.

Nós só vencemos nossos irmãos latino-americanos em número de passageiros transportados (clique aqui).

Nesse quesito, somos campeões mundial!!

Um vergonhoso título ostentado pelos homens que logo farão vinte anos de governo…

Veja também:

Briga? Tumulto? Guerra? Não… É o Metrô de SP.

Metrô de SP é o mais lotado do mundo

Imagem: fatosetc.blogspot.com

Assim como em vários países vizinhos, no Brasil os chamados “anos de chumbo” da ditadura militar, coincidiram com os anos de “guerra fria”.

Para impedir que a União Soviética pudesse invadir seu quintal, os norte-americanos sacrificaram a Democracia em nosso país e em muitos outros.

E, para tanto, contou com a canalhice de determinados grupos estratégicos.

Os Estados Unidos, sob o pretexto de combater a ameaça do Bloco Socialista, sob a hegemonia soviética, deu apoio logístico militar e financeiro para diversos regimes de terror na América Latina (clique aqui).

Comandado por militares, ao lado de políticos civis da UDN (que queriam o poder de forma ilegal) e com o decisivo apoio norte-americano, o Brasil viveu vinte e um anos de seu pior pesadelo.

Adotada em dezembro de 1948 pela ONU, a A Declaração Universal dos Direitos Humanos deve estar dentro de alguma gaveta, juntos com alguns corpos…

Agora os EUA, que armaram os assassinos, podem ajudar a apontá-los.

 

Do Terra:

 

EUA podem ajudar Brasil a abrir ‘caixa de Pandora’ da ditadura

16 /05/2012

Os Estados Unidos devem ajudar o Brasil a abrir a “caixa de Pandora” do seu regime militar, contribuindo com a Comissão da Verdade que inicia os seus trabalhos nesta quarta-feira, disse à BBC Brasilum especialista americano em obter acesso a arquivos confidenciais históricos.

Peter Kornbluh, diretor de documentação sobre o Brasil no National Security Archive (Arquivo Nacional de Segurança), uma organização sem fins lucrativos vinculada à Universidade George Washington, acredita que o Brasil deu um passo histórico com a criação da Comissão, após o qual será impossível retroceder. “Uma vez que a caixa de Pandora do passado for aberta, será muito difícil fechar a tampa novamente”, diz, referindo-se aos segredos que podem ser revelados pela primeira vez, e que dariam início a um segundo debate no País, desta vez sobre justiça.

Kornbluh, um especialista em “abrir caixas de Pandora” usando a lei de acesso à informação americana, crê que as informações guardadas nos EUA podem ser valiosas principalmente diante da relutância das Forças Armadas brasileiras em abrir seus arquivos.

Sob pressão para ajudar no trabalho de comissões da verdade na região, ele diz, o governo americano tem liberado evidências ainda que atestem suas “políticas externas desabonadoras, reprováveis e imorais do passado”, afirma Kornbluh.

Leia a seguir os principais trechos da entrevista:

BBC Brasil – O que o sr. acha da criação de uma Comissão da Verdade no Brasil? Peter Kornbluh –É um momento significativo, de reconhecimento da história brasileira. Apesar de a Comissão em si não poder processar ninguém – o que é uma grande concessão aos militares – a verdade que será desenterrada por ela pode ser muito poderosa. Uma vez que a caixa de Pandora do passado for aberta, será muito difícil fechar a tampa novamente. Estou otimista que a Comissão levará à Justiça ao desvendar os crimes contra os direitos humanos cometidos durante o regime militar.

BBC Brasil – O que, na sua opinião, pode potencialmente ser revelado pela primeira vez a partir dos trabalhos da Comissão? Kornbluh –No trabalho de historiadores e pesquisadores de direitos humanos, você não sabe o que não sabe. Embora pareça que muitos dos crimes durante as operações militares sejam conhecidos, se a Comissão da Verdade fizer valer a nova legislação de liberdade de acesso à informação e usar a cláusula desta lei para liberar documentos relativos aos direitos humanos, pode mudar a forma como a sociedade brasileira percebe o seu próprio passado.

BBC Brasil – O sr. mencionou a concessão feita de saída pela Comissão da Verdade no Brasil no sentido de não processar ninguém. Mas a comissão do Chile também começou com várias concessões e, mais tarde, houve condenações de militares no país. Kornbluh –A Comissão da Verdade também teve as mesmas restrições, vamos chamar assim, da brasileira. Estava significativamente restrita pela sombra da ditadura de Pinochet e pela ameaça de uma violência renovada por parte dos militares.

Só foi estabelecida após Pinochet deixar claro que ela não poderia identificar perpetradores de crimes contra os direitos humanos. Mas o relatório extraordinário de dois volumes da Comissão se tornou base para uma discussão nova no Chile, sobre a busca pela verdade. E no fim, como todos sabem, o próprio Pinochet foi indiciado por crimes contra os direitos humanos.

Levou anos, foi preciso muita paciência, mas como uma sociedade civilizada, o Chile caminhou da verdade para a Justiça. Os brasileiros também têm sido pacientes. O poder da informação que a Comissão brasileira gerar pode levar a um novo movimento por reconhecimento, prestação de contas e justiça.

BBC Brasil – Como o sr. acha que as informações contidas nos arquivos americanos podem ajudar nessa tarefa? Kornbluh –Um dos resultados mais claros do envolvimento americano em países latino-americanos na época é que os EUA tinham muitos conselheiros de contrainsurgência na região.

As autoridades americanas documentaram o papel do Brasil contra a esquerda – não apenas brasileira, mas argentina, uruguaia , chilena – e o papel do Brasil na Operação Condor, uma colaboração liderada pelo regime de Augusto Pinochet no Chile com todos os regimes do Cone Sul.

Entre os documentos de rotina do Departamento de Defesa, deve haver relatórios sobre a infraestrutura e as unidades das forças de segurança brasileira que podem ajudar a relacionar quem eram os responsáveis por determinadas regiões onde ocorreram abusos de direitos humanos.

Além disso, pode haver relatórios operacionais detalhados e específicos sobre operações de contrainsurgência, operações como a do Araguaia, que reportem a repressão que ocorreu.

BBC Brasil – Há disposição dos EUA para abrir esses arquivos? Kornbluh –Os documentos da natureza que estamos falando não são abertos rotineiramente. Os que são considerados altamente confidenciais – que são baseados em fontes dentro do regime militar brasileiro, ou os relatórios de inteligência preparados pela CIA – não são liberados rotineiramente e é preciso uma petição baseada na lei de acesso à informação.

Mas hoje, apesar de todo o apoio dos EUA aos regimes autoritários da América Latina na época, a política americana para a região é de fortalecimento de instituições de direitos humanos e da democracia. Os EUA já ajudaram outros países – Guatemala, Peru, Equador – que tiveram comissões da verdade, praticando aquilo que eu chamo de “diplomacia dos documentos”, revendo e liberando rapidamente os arquivos em seu poder para uso dessas comissões.

BBC Brasil – O sr. acredita que o mesmo ocorreria no caso brasileiro? Kornbluh –Nossa organização espera trabalhar com a Comissão da Verdade brasileira para formular requerimentos detalhados junto ao governo americano de documentos cruciais, da mesma forma que assistimos comissões no Peru, Equador, Guatemala, El Salvador, etc.

BBC Brasil – Esses processos de revisão do passado podem levar a alguma autocrítica dos EUA sobre o seu envolvimento nos regimes autoritários latinoamericanos? Kornbluh –Preciso lembrá-lo que o governo americano tem liberado documentos e evidências de seu envolvimento em políticas externas desabonadoras, reprováveis e imorais do passado.

Depois que o general Pinochet foi preso em Londres (em 1998), o governo Clinton, sob pressão de organizações como a nossa, e organizações de direitos humanos e de vítimas no Chile, concordou em liberar muitos documentos, incluindo centenas de registros operacionais da CIA para derrubar o governo de Salvador Allende e ajudar Pinochet a consolidar o seu regime.

Não é como se tivéssemos autoridades americanas tentando esconder o papel dos EUA no passado. Mas sejamos claros, não é esse o objetivo da Comissão (brasileira) nesse momento. Não é expor o papel dos EUA no golpe no Brasil em 1964: é reunir documentos que possam descrever a repressão durante o período militar.

BBC Brasil – Há algum episódio ao qual o sr. particularmente gostaria de ter acesso? Kornbluh –Eu pessoalmente gostaria de ver todas as comunicações telegráficas americanas no caso (da morte do jornalista) Vladimir Herzog e os relatórios do Departamento de Defesa sobre as operações de contrainsurgência e repressão contra os militantes da guerrilha do Araguaia.

Há também muito mistério sobre como o ex-presidente João Goulart morreu, na Argentina, em 1976. Mas o mais importante é que o Brasil está respondendo a um processo ante a Corte Interamericana de Direitos Humanos sobre o caso do Araguaia e, para cumprir as exigências da Corte como uma sociedade moderna, precisa não deixar pedra sobre pedra.

Uma destas pedras é a falta de cooperação das Forças Armadas brasileiras. Há no Brasil um setor militar resistente, que se recusa a abrir seus arquivos, dizendo repetidamente que destruiu toda a documentação que seria útil à Comissão da Verdade. Eu, pessoalmente, não acredito nisso. Na experiência de outros países, onde houve afirmações semelhantes, os documentos terminaram reaparecendo. E certamente se os documentos não reaparecerem, alguns documentos americanos devem prover informação valiosa.

Agora, em pleno regime democrático, existem pessoas que querem impedir que a verdade possa ser conhecida de forma integral.

De 1964 a 1985 apenas um lado da História foi contada em nossas escolas.

O outro lado, setores das Forças Armadas afirmam que foi perdido.

Uma afirmação bastante cômoda…

Permitir que a História seja violentada, é voltar aos tempos do terror.

Veja também:

ANTES NÃO TINHA, AGORA TEM: Empresário troca imóvel por alvará com diretor de Kassab

A IMPRENSA ACENDE A LUZ no Caso Carlinhos Cachoeira: Veja parte para o ataque! Será porque eles não tem defesa?

Imagem: osjovensnahistoria.blogspot.com

Em 2008 o diretor da Prefeitura de São Paulo Hussain Aref Saab “comprou” por R$ 242 mil, um apartamento do empresário David Carlos Antonio.

“Comprou” um imóvel que, três anos antes, havia sido comprado por R$ 1,2 milhão.

Bom negócio? 

Na verdade um verdadeiro “presente”.

Desperta a curiosidade que o “bondoso vendedor”, na época tinha um processo de anistia encalhado na prefeitura havia cinco anos. 

Quatro meses depois da negociação, o processo, parado desde 2003, passou a tramitar e, um ano depois, o alvará foi concedido pelo departamento chefiado por Aref.

Veja a matéria abaixo, se tiver estômago…

Da Folha:

Diretor da Prefeitura de SP pagou R$ 242 mil por imóvel de R$ 1,2 mi

15/05/2012

O então diretor da Prefeitura de São Paulo Hussain Aref Saab comprou, em 2008, por R$ 242 mil, um apartamento que três anos antes havia sido comprado por R$ 1,2 milhão. 

Resolvendo o problema de moradia: Só neste conjunto na zona sul de Sao Paulo, Hussain Aref Saab tem 10 apartamentos...

Resolvendo o problema de moradia: Só neste conjunto na zona sul de Sao Paulo, Hussain Aref Saab tem 10 apartamentos…

Resolvendo o problema de moradia: Só neste conjunto na zona sul de Sao Paulo, Hussain Aref Saab tem 10 apartamentos…

A indicação do funcionário foi de Kassab, que na época era vice-prefeito de José Serra (PSDB), em 2005 (clique aqui).
Foi apurado que o salário de Aref não seria sequer capaz de pagar o IPTU dos imóveis que ele adquiriu.
Outro fato que desperta a curiosidade.
Agora, nada é mais intrigante que Hussain Aref Saab tenha ficado por SETE ANOS como diretor responsável pela aprovação de empreendimentos imobiliários de São Paulo.
A sociedade merece, no mínimo, um esclarecimento.

Veja também:

Diretor de Kassab compra 106 imóvei sem 7 anos; veja video

Serra aprova Kassab e diz que inflencia governo Dilma

O amor é cego.

O ódio também.

Tamanho ódio levou a revista que se auto-intitula “INDISPENSÁVEL”, a ser pautada pelo crime organizado.

O ódio incontrolável nutrido pela publicação da Editora Abril aos chamados “petralhas”, que ousaram vencer as eleições presidenciais de 2002, 2006 e 2010.

Tal sentimento impede o raciocínio lógico.

Nas gravações da Polícia Federal, podemos ouvir Cachoeira comemorando as publicações da revista e os efeitos causados (clique aqui).

E podemos ouvir mais…

Podemos ouvir que é o bicheiro quem define o lugar que a noticia sairá publicada.

No Radar, na On Line ou na Veja (clique aqui e aqui).

Na foto, percebemos que a “luz da Veja” ilumina bem pouco…

A revista de Roberto Civita tenta se salvar, abraçada à liberdade de informação jornalística.

Pois é o acesso à informação, que deve fechar “a tampa do caixão” de Veja.

Falando em informação…

Em matéria que visava derrubar o governador do DF, Agnelo Queiroz (PT), podemos ver a participação direta de Cachoeira.

E não apenas como informante.

Do R7:

Aliado de Cachoeira diz que orientou diretor da Veja em matéria sobre governador, revela PF

29/04/2012

Em uma das gravações feitas pela Polícia Federal, à qual o R7 teve acesso, Cláudio Abreu , ex-diretor da Delta Construções, diz que deu orientações a um dos redatores-chefes da revista Veja, Policarpo Júnior, para produção de uma reportagem sobre Agnelo Queiroz (PT-DF). Dias antes, foi publicada uma denúncia sobre a atuação do governador na operação Caixa de Pandora, que derrubou o antecessor e rival José Arruda (ex-DEM).
Aparentemente, o grupo de Cachoeira tentava abastecer a revista com informações que interessavam a seus negócios.

Atacar para se defender: Quando é que a Veja vai começar a dar explicações?

A credibilidade da publicação da Editora Abril foi severamente atingida.

Porém, caso não vejamos investigação e punição, a credibilidade de nossa justiça também será atingida.

Caso o Brasil tenha intenção de se tornar um país desenvolvido…

Precisamos ver SERIEDADE e JUSTIÇA!

Veja também:

Segurança Pública de Alckmin: Em Ilha Bela deixaram apenas um policial para segurar quinze bandidos

Com o mensalão pode, com o Cachoeira não!! Defesa do bicheiro vai tentar impedir que o STF envie inquérito para a CPI…

Imagem: veja.abril.com.br