Tag Archive: Serra


Ser tucano é ser neoliberal, é ser contra a máquina estatal (clique aqui e aqui). É, segundo eles mesmos, ser contra o atraso.

Diferente de ser tucano, ser serrista é ser contrário ao avanço.

Não sei o que é pior, o avanço tucano, ou o serrismo (que é o atraso dentro do avanço).

Azevedo e Serra: A análise política serrista não é feita com o cérebro, mas com o fígado

Veja abaixo um ótimo exemplo prático do que é ser serrista.

Da Veja:

Fiquem tranquilos, petralhas! Não me furtarei a lhes dar motivos para babar!

29/10/2012

Ter Reinaldo Azevedo do outro lado é, sem dúvida, uma vantagem para os petistas.

A curiosa figura relaciona o resultado eleitoral com o julgamento da AP 470.

E aponta os mais de 30% de abstenção como eleitores que não votaram em Haddad.

É engraçado…

Eles tampouco votaram em Serra.

Já que os “petralhas” são “quadrilheiros” e “mensaleiros”, por que então o eleitor não aplicou em Haddad uma sonora derrota?

Não votando no “preparado” Serra, acabaram permitindo a eleição do candidato dos “mensaleiros”.

Ao que parece, tem gente cega pelo ódio…

A curiosa figura começou também a julgar os tucanos que, segundo ele “já começaram a falar bobagem sobre o passado e sobre o futuro”.

Ainda, segundo ele, “a conversa mole sobre a renovação”.

Ainda bem que o PT não dispõe de um conselheiro como Azevedo.

O PT usou a “conversa mole”, e renovou com Dilma em 2010.

Também usou a “conversa mole” em 2012.

E a “conversa mole” venceu.

Mais uma vez.

Será que os tucanos virão com a “conversa mole de renovação”?

Ou será que ouvirão Azevedo?

E, dessa forma, virão em 2014 com o velho Serra?

Veja também:

Tucano indestrutível: Após ser arrebentado pelo ‘segundo poste’, Serra ainda diz que saiu revigorado…

Aliado de Serra, Kassab avalia governo nefasto e decreta: “Sucessor não resolve problemas da cidade em 4 anos”

Imagem: saraiva13.blogspot.com

Anúncios

A falta de democracia dentro do PSDB possibilita candidatos eternos. Talvez tenhamos que ver o ‘revigorado’ Serra por mais um milênio…

Olhando as campanhas de Serra e Haddad, podemos ver diferenças dramáticas.

Primeiro o resultado.

Do UOL:

Serra tem a pior votação da história do PSDB na capital paulista em um segundo turno

28/10/2012

Alem de ter sido derrotado por Fernando Haddad (PT)na disputa pela prefeitura, José Serra (PSDB) teve a pior votação de seu partido no histórico de disputas de segundo turno na cidade de São Paulo desde 1994, incluindo eleições estaduais e nacionais.

Com 44,4% dos votos válidos, Serra teve o resultado menos expressivo do PSDB nas urnas dos últimos 18 anos. Antes do resultado deste domingo, só em 2002 a votação dos paulistanos no PSDB não havia superado 50%. Mesmo em eleições presidenciais nas quais o PT levou a melhor sobre os tucanos, São Paulo contrariou o resultado nacional. Tanto Alckmin, em 2006, e Serra, em 2010, venceram o pleito na cidade.

Até então, o pior desempenho dos tucanos havia ocorrido em 2002, quando o próprio José Serra obteve 48,9% dos votos dos eleitores da capital na disputa presidencial contra Luiz Inácio Lula da Silva. Em 2010, no pleito contra a presidente Dilma Rousseff, Serra conquistou 53,6% dos votos na cidade de São Paulo.

Agora o início.

Do ÚLTIMO SEGUNDO:

Com 31%, Serra lidera disputa em São Paulo; Haddad tem 3%

09/05/2012

Assim como Dilma Roussef, que no início das eleições presidenciais de 2010 foi tratada como um ‘poste’ (clique aqui), para depois acabar eleita. Haddad também teve sua capacidade questionada e sua candidatura tratada como um erro (clique aqui).

Na prática o que se viu, tanto em 2010 quanto agora, foi o conhecido e experimentado Serra ficando para trás.

Porém o tucano se diz ‘revigorado’.

Do G1:

Serra diz que termina campanha ‘revigorado’ e com mais ‘energia’

28/10/2012

Serra (que foi candidato em 1996, em 2002, em 2004, em 2006, em 2010 e agora em 2012) surge como exemplo prático da falta de quadros para um partido importante como o PSDB.

Tal realidade pode ser um sinal ruim para o partido. Pode também não ser bom para o processo democrático.

Veja também:

Aliado de Serra, Kassab avalia governo nefasto e decreta: “Sucessor não resolve problemas da cidade em 4 anos”

Bilhete Único de 6 horas: Serra vai plagiar idéia de Levy Fidelix para tentar ganhar eleição

Imagem: netizando.wordpress.com

Kassab agora afirma que o próximo prefeito não conseguirá resolver os problemas da cidade de São Paulo em quatro anos.

Do descontrole às irregularidades: Kassab chamou cidadão de ‘vagabundo’, porém empregou o homem que, em sete anos conseguiu mais de cem imóveis…

Do Terra:

“Sucessor não resolve problemas da cidade em 4 anos”, diz Kassab

28/10/2012

Ao que parece, Kassab se esqueceu que, nos últimos oito anos, ele e Jose Serra (atual candidato tucano), estiveram à frente do município de SP.

E, neste período, a cidade não foi marcada pela competência.

Muito pelo contrário…

Nas mãos de Kassab, São Paulo chegou até a ser motivo de piada (clique aqui).

Os casos de irregularidades na Controlar (clique aqui), quase custaram o cargo de Kassab.

No Aprov, teve funcionário com enriquecimento monstruoso. A ponto de seu salário oficial não dar, sequer, para pagar os impostos dos inúmeros imóveis adquiridos (clique aqui).

Nem mesmo quem morreu teve paz em São Paulo, já que tivemos com Kassab uma verdadeira máfia no serviço funerário (clique aqui).

Nem mesmo os inúmeros incêndios que atingiram favelas, foram apurados por Kassab e seus vereadores, maioria na Câmara Municipal (clique aqui e aqui).

Agora Kassab afirma que quatro anos é pouco para resolver os problemas.

E, eles ainda se candidataram para tentar resolver…

Veja também:

Terra de ninguém: Em SP médicos fogem dos hospitais públicos

Inadmissível: Kassab condena greve e aumenta seu próprio salário

Não é brincadeira!! Kassab defende que paulistano se mude!!

Palhaçada!! Médica processada por fraudar plantões é contratada pela prefeitura de São Paulo

Imagem: luiscarlosgusmao.wordpress.com

As promessas e os beijos: Antes um candidato sério, agora uma figura pitoresca

Não importa se a idéia é boa, ou não passa de uma ilusão populista.

O importante para Serra é ser eleito.

Levy Fidelix propôs, desde o início da corrida eleitoral, nova duração do Bilhete Único de 3 horas para 6 horas.

Além da redução da passagem de ônibus de R$3,oo para R$2,00.

Porém o candidato não foi levado à sério, recebendo apenas 19.800 votos no primeiro turno (clique aqui).

Na prática, Levy Fidelix mostrou que tem propostas mais bem estruturadas que Serra (que só adotou a idéia do nanico, ao ver a possibilidade iminente de derrota).

Bem diferente do petista Haddad que, desde o início da corrida trouxe um plano de governo bastante robusto (clique aqui).

Do Terra:

SP: Serra diz que extensão do bilhete único custará R$ 500 mi

25/10/2012

O candidato José Serra (PSDB) explicou nesta quinta-feira sua proposta de ampliar o bilhete único para seis horas e estender o bilhete amigão (quer permite o usuário usar o cartão, ao preço de uma tarifa, por oito horas) para o sábado.

Ainda reforçando sua tradição em não responder perguntas difíceis, Serra agiu de maneira covarde.

Mais uma vez.

Questionado sobre o motivo para ter apresentado a proposta apenas agora, o tucano respondeu: “Esta é a pergunta que Haddad faria, pergunta para ele”.

O homem que, há tempos, gosta de ser colocado como “o mais preparado” (clique aqui, aqui, aqui e aqui), não se mostra sequer preparado para responder uma simples pergunta.

Pelo visto, em um regime democrático, onde políticos precisam responder perguntas e dar esclarecimentos à jornalistas e ao povo (principalmente ao povo), Serra não se mostra tão preparado…

Veja também:

De Reinaldo Azevedo a Silas Malafaia… Serra deixa as propostas de lado e coloca o ódio na campanha

O crime ficando tucano: Discurso de Alckmin é adotado por criminosos em São Paulo

Imagem: noticias.terra.com.br

Com o objetivo de vencer, os candidatos costumam dar tudo de si.

Porém, quando se trata de José Serra, dar tudo de si não quer dizer DAR ALGO DE BOM.

Muito pelo contrário.

A covardia de levar a política para dentro de templos religiosos já havia sido utilizada em 2010 contra Dilma Rousseff.

Todos sabem qual foi o resultado…

A análise de Davis Sena Filho do Blog Palavra Livre, foi tão precisa, que também foi publicada pelo Brasil 247 (clique aqui).

Confira:

Reinaldo Azevedo é a corda da forca de José Serra e Silas Malafaia seu cadafalso

16/10/2012

“José Serra e Reinaldo Azevedo: Juntaram-se a fome com a vontade de comer; o ódio com o desprezo; a falta de respeito com a violência; a desfaçatez com a estupidez; e o egoísmo com a iniquidade”.

Nunca escrevi sobre o direitista Reinaldo Azevedo. Sempre o considerei, antes de tudo, um pulha, nada mais do que isto. Também nunca o levei a sério, apesar de considerá-lo perigoso se o Brasil estivesse, por exemplo, a reprisar a crise institucional e política nos anos pré 1964, que fomentou as ações golpistas para que os militares e também os empresários conquistassem o poder sem passarem, todavia, pelo crivo de uma eleição direta garantida pelas leis constitucionais de um estado democrático de direito.

Reinaldo Azevedo sabe disso e mesmo assim finge não saber, tergiversa, porque para tal jornalista o que vale são os fins e não os meios praticados por quem ele apoia para chegar ao poder, de forma que sua volúpia ou ferocidade verbal se confunde com seu próprio pensamento político e sociológico, pois que, na prática, defende um estado patrimonialista, que atenda os interesses das classes dominantes, porém, pequeno, enxuto, o que propicia a submissão do estado aos ditames da iniciativa privada, que necessita dos impostos pagos pelo contribuinte brasileiro como os seres vivos precisam de oxigênio em forma de empréstimos e financiamentos, que garantem ao empresariado ter recursos para efetivar seus empreendimentos e, consequentemente, concretizar seus negócios.

Eu sou a favor dos empreendedores, pois eles criam empregos e desenvolvem o País. Entretanto, a economia não pode e não deve se ater apenas a números e índices, porque tem de, antes de tudo, servir ao ser humano como fonte de seu desenvolvimento social em uma existência de bem-estar, pois que os entes vivos morrem e por isso devem receber do estado as condições para que viva uma vida plena e, por conseguinte, ter a consciência de que as gerações futuras, os seus descentes também precisam viver em um País para todos e não apenas para alguns privilegiados, como quer o jornalista da Veja — a revista porcaria associada a bicheiro preso — Reinaldo Azevedo.

Um dos pitbulls da Veja, semanário também conhecido como a última flor do fáscio, transformou-se em principal conselheiro do candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo, o tucano José Serra, o “pai” da baixaria política, o protagonista da campanha presidencial de 2010, a mais infamante que eu tive a infelicidade e o desprazer de testemunhar em toda a minha vida. Juntaram-se a fome com a vontade de comer; o ódio com o desprezo; a falta de respeito com a violência; a desfaçatez com a estupidez; e o egoísmo com a iniquidade.

Serra há muito tempo age como um reacionário de origem e desprestigiou o publicitário Luiz Gonzalez, responsável pelo comando das ações de marketing político, bem como enfraqueceu o Edson Aparecido (PSDB/SP), coordenador de sua campanha. Os dois contestaram a opção do candidato tucano em dar ênfase a questões sexuais de conotações homofóbicas, além de incluir temas religiosos, em um procedimento que repete o que ele fez nas eleições para presidente em 2010. Serra não tem jeito, porque político sem proposta, programa de governo e que há muito tempo chutou para escanteio a ética e o respeito à diversidade humana, cultural, racial e social. É nisto que o PSDB se transformou, principalmente o paulista, com alguns nichos reacionários no Paraná do senador papagaio da imprensa golpista no Congresso, o tucano Álvaro Dias.

Reinaldo Azevedo tomou a vez e a hora e repercute sem noção de dolo ou ofensa as ferinas palavras do religioso evangélico ultraconservador, Silas Malafaia, que, ardorosamente, ataca os homossexuais, o candidato do PT à prefeitura paulistana, Fernando Haddad, a ter como arma o “kit gay”, material educacional formulado no Ministério da Educação (MEC) quando Haddad era ministro. O kit tinha o propósito de combater a homofobia (preconceito e violência) nas escolas públicas e era o resultado de um convênio entre o MEC, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e a ONG Comunicação em Sexualidade (Ecos).

Ao saber do material do MEC sobre o assunto, a direita brasileira, à frente o candidato José Serra e religiosos do conservadorismo de Silas Malafaia, apelidou o material de kit gay e começou a fazer campanha digna dos fascistas dos tempos de Benito Mussolini, Francisco Franco e Antônio Salazar. O Governo Lula,  em geral, e a candidata Dilma Rousseff e o ministro Fernando Haddad, em particular, tiveram que “comer um dobrado”, porque a campanha serrista não propunha soluções e melhorias para o Brasil, pois se dedicava, exclusivamente, a atacar da maneira mais ignominiosa, difamatória e injuriosa possível a candidata trabalhista do campo da esquerda.

Só que tem uma coisa: Serra assumiu nesta semana que também lançou um kit gay quando governou São Paulo. E, como é de seu caráter e de sua índole, tergiversou, dissimulou, irritou-se e somente assumiu tal fato porque essa realidade foi divulgada na imprensa e nas redes sociais. O guarda-chuva do tucano neoliberal que vendeu o patrimônio do Brasil juntamente com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso — o Neoliberal — é furado, e em todos os sentidos. Serra não tem jeito e ao verificar que as pesquisas dão 11 pontos percentuais a mais para o petista Fernando Haddad, decidiu mais uma vez apelar para a baixaria e novamente se juntar à extrema direita, a ter como bate-paus os senhores Reinaldo Azevedo, a cara da mídia conservadora; e Silas Malafaia, a cara das igrejas radicais, que fazem da intolerância e do medo uma fórmula para conquistar e se manter no poder terreno, porque o poder de Deus, de acordo com a Bíblia, é outra coisa, que talvez um dia o Malafaia, o Azevedo e o Serra possam compreender e explicar… Seus atos.

Ora, o tempo passa, e José Serra, o “pai” da baixaria política, o “engenheiro” de campanhas negativas, ouve Malafaia e o mezzo facista da Veja — a revista porcaria —, Reinaldo Azevedo. O escriba defensor das minorias ricas e brancas, obrigadas a viver em um País dominado por petistas que resolveram distribuir renda e riqueza, sem, no entanto, impedir que os ricos continuassem ricos e que os barões da imprensa golpista de negócios privados achincalhassem e até mesmo linchassem autoridades políticas e funcionários públicos sem reprimi-los e censurá-los.

É dessa forma que a banda toca por esses pagos. Os ricos, os milionários e os seus empregados de luxo, como tal o é e se orgulha de sê-lo o Reinaldo Azevedo, choram de barriga cheia e reclamam não do lucro, do dinheiro que recebem por intermédio do crescimento econômico e financeiro do povo brasileiro, como aconteceu e acontece nas eras Lula e Dilma. Essa direita cruel, racista, colonizada, com imenso complexo de vira-lata chora lágrimas de crocodilo e por apenas três motivos: ela quer novamente o País somente para sua casta, o estado a seu serviço e dispor, e os privilégios conquistados por meio de sua riqueza e da exploração de seus empregados intactos, inclusive com direito a sonegar impostos, remeter lucros ilegais para o exterior, além de, se possível, voltar a lucrar com os impostos mais cruéis cobrados durante décadas do povo brasileiro: a inflação e os juros altos.

Reinaldo Azevedo se traduziu na cara da direita. Ele, diariamente, mostra seus dentes de tubarão, mas é peixe pequeno. Peixe de luxo, mas de ideias curtas, diminutas como as de seu chefe, o ítalo-americano Roberto Civita, o dono da revista porcaria. Serra o ouve… E vai dar com os burros na água. Quem ouve Reinaldo Azevedo e seu aliado de campanha tucana, Silas Malafaia, é porque não tem propostas. Mais do que isto: não tem e não quer ter propostas para o povo paulistano, bem como para o brasileiro, afinal o Serra foi candidato a presidente duas vezes. Reinaldo Azevedo sabe do seu papel na imprensa. O problema é que tem muita gente da imprensa, inclusive a de esquerda, que dá muita importância a tal jornalista. Importância que ele não tem.

Para se enforcar alguém, precisa-se de corda. Reinaldo Azevedo é a corda do José Serra; e o Silas Malafaia seu cadafalso. É isso aí.

Serra poderia contentar-se de ser apenas um político ruim.

Mas não. Ele quer ser mais.

Serra quer ser um político nefasto.

Veja também:

Questionado sobre Silas Malafaia, Serra se irrita em entrevista

O crime ficando tucano: Discurso de Alckmin é adotado por criminosos em São Paulo

Deputado assume ‘culpa’ por renúncia de Serra. Se a culpa não foi de Serra, então ele é o quê? Um ‘boneco’??

Imagem: brasil247.com

E o eleitor? O que prefere?

Ser governado por um mentiroso, que promete e não cumpre o prometido, ou por um político que costuma ceder quando pressionado?

Um banana…

José Serra havia falado em alto e bom som: “O problema é que Fernando Haddad é fraco como administrador” (clique aqui).

Serra falou porém, na prática, se mostrou pior que um administrador fraco. Se mostrou ‘um homem fraco’, diante do povo.

Afinal, a força do homem reside na sua capacidade em cumprir compromissos assumidos.

E Serra assumiu um sério compromisso com o povo da cidade de São Paulo. Porém se dobrou diante de colegas de partido e acabou por trair a palavra dada diante do cidadão.

Do Terra:

Deputado tucano assume ‘culpa’ por renúncia de Serra em 2006

21/10/2012

Marcos Zerbini (PSDB-SP) afirmou que ele e outros deputados pressionaram Serra na época para que o tucano deixasse a prefeitura e disputasse o governo .... Foto: Roberto Oya/Futura Press

O deputado estadual Marcos Zerbini (PSDB-SP) assumiu neste domingo a “culpa” pelo fato de o candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo, José Serra, ter deixado o cargo em 2006 quando disputou o governo do Estado. A renúncia é constantemente usada pela campanha do adversário Fernando Haddad (PT-SP) na propaganda eleitoral de rádio e TV. Em resposta, a campanha do PSDB diz que o ex-prefeito teve que deixar o cargo com Gilberto Kassab (PSD-SP) para que nenhum petista assumisse como governador.

Ah bom…

Se ele foi pressionado, então devemos acreditar em quê? Que a culpa não foi dele?

Seria melhor que o deputado tucano tivesse ficado calado, assim como teria sido melhor que Serra tivesse se calado antes.

A fragilidade moral é a marca do homem que, em 2006 afirmou que não deixaria o cargo, para deixá-lo pouco mais de um ano depois.

Ou então do homem, que em 2011, afirmou que não seria candidato ao cargo que hoje disputa (clique aqui).

Se hoje Serra fizer uma promessa de campanha, seja franco, você acreditaria?

Veja também:

Filho da p@#%: Soninha solta o verbo e dá uma pequena idéia ao eleitor sobre o nível de campanha de Serra e aliados

Ibope: Haddad 49%, Serra 33%. Pelo jeito, veremos Jose Serra ainda mais nervoso…

Serra,  já andava estressado, atacando jornalistas (clique aqui e aqui).

Serra, que recebeu apoio de candidato tão nanico, tão sem expressão, que não foi capaz de trazer consigo seu partido (clique aqui).

Como o discurso do ‘mais preparado’ não fazia mais efeito, mais uma vez, o tucano se viu obrigado a lançar mão da intolerância religiosa para vencer (clique aqui).

Assim como fez, sem sucesso, em 2010 (clique aqui).

Teve até líder religioso que chegou a chamar o adversário de Serra de “filho do diabo.” (clique aqui).

Com a divulgação da segunda pesquisa Ibope do segundo turno, podemos ver que a estratégia de Serra não está dando resultado.

Mais uma vez.

Da EXAME:

Ibope: Haddad lidera com 49% contra 33% de Serra

Em votos válidos – excluídos os entrevistados que dizem pretender votar nulo ou branco – o placar a favor do petista seria de 60% a 40% do tucano

17/10/2012

Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira indica que se as eleições deste segundo turno em São Paulo fossem realizadas hoje o candidato do PT, Fernando Haddad venceria o pleito com 49% das intenções de voto, contra 33% do tucano José Serra.

Em votos válidos – excluídos os entrevistados que dizem pretender votar nulo ou branco – o placar a favor do petista seria de 60% a 40% do tucano. Foram ouvidos 1.204 eleitores entre os dias 12 e 17. A pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral sob o protocolo SP-01864/2012.

A conversa do kit gay não pegou, porém esqueceram de avisar o candidato tucano.

Do Estadão:

Serra volta a criticar ‘kit gay’ federal; PSDB já vê prejuízo

17/10/2012

Só agora o PSDB viu o prejuízo?

Olhando as pesquisas eleitorais, podemos ver que o prejuízo do tucano se arrasta por meses.

Em maio, foi divulgada pesquisa feita pelo Ibope, encomendada pela Rede Globo, onde Serra tinha 31%.

A mesma pesquisa apontava Haddad, com apenas 3%. Além de perder para Serra, o petista estava também atrás de nomes como Russomano, Netinho de Paula, Soninha Francine, Gabriel Chalita e Paulo Pereira da Silva (clique aqui).

De maio até aqui, Serra foi de 31 para 33%, enquanto Fernando Haddad passou de 3 para 49%.

Enquanto Haddad só colheu lucros, o PSDB viu o prejuízo somente agora.

São eles que querem administrar São Paulo??

Veja também:

Paulinho da Força: Força? Mas, CADÊ A FORÇA?? PDT abandona Paulinho com Serra e entra na campanha de Haddad

A democracia de Serra: Candidato discute com Kennedy Alencar… Será que veremos mais um jornalista demitido?

Serra em campanha: Confrontos com cinco jornalistas em apenas 19 dias

Imagem: tvuol.uol.com.br

Candidato que se diz “democrata”, precisa aprender a conviver com pergunta difícil.

Em 2010 os questionamentos sobre os caríssimos pedágios cobrados pelo governador que acabava de deixar o cargo para disputar as eleições presidenciais, acabaram custando a cabeça de dois consagrados jornalistas da TV Cultura.

Heródoto Barbeiro e Gabriel Priolli.

Ex-diretor de jornalismo da TV Cultura, o jornalista Gabriel Priolli foi demitido, Priolli havia preparado uma reportagem sobre os pedágios nas rodovias paulistas – tema que incomoda o ex-governador José Serra (clique aqui).
Sobre as razões da demissão de Heródoto, veja o video onde o jornalista entrevista Jose Serra, pouco antes de sua demissão.

Agora, ao que parece, mais uma cabeça de jornalista pode estar indo para a ‘guilhotina’.

Do Terra:

Serra discute com jornalista sobre kit anti-homofobia

16/10/2012

Em entrevista à rádio CBN na manhã desta terça-feira, o candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo no 2º turno, José Serra entrou em conflito com jornalista Kennedy Alencar que o questionou sobre o kit anti-homofobia do Estado de São Paulo.

Serra foi questionado pelo jornalista Kennedy Alencar sobre o kit anti-homofobia do Estado de São Paulo e o apoio de lideres conservadores como o Pastor Silas Malafaia. Em contrapartida, o tucano perguntou a Kennedy se ele havia lido o material. Enquanto o jornalista respondia que leu a cartilha e que viu semelhanças entre o material do governo federal, chamado pejorativamente de ‘kit gay’, e do governo estadual. Serra ainda continuou questionando. “Kennedy, fala a verdade. Você leu a cartilha inteira? Não leu, Kennedy”, afirmou o candidato.

Em resposta, o jornalista afirmou que fez uma pergunta objetiva ao tucano. Cortando sequencialmente o jornalista, Serra ainda afirmou: “faz favor, seja educado e ouça o que eu estou falando”. “Você está falando de uma cartilha que você não leu. Leia e você vai ver que são coisas muito diferentes”, completou. O candidato do PSDB ainda afirmou que a pergunta do jornalista “envolve uma mentira”, por considerar que as cartilhas “são completamente diferentes”. Por fim ele afirmou que o jornalista teria outra preferência política. “Eu sei que você tem suas preferências políticas, modere-se Kennedy, você está na CBN. Não pode fazer campanha eleitoral aqui na CBN.

Segundo o candidato tucano, a cartilha do MEC incentiva o bissexualismo.

Apesar de discordar radicalmente da opinião de Serra, apesar do espanto de ver argumentação tão estúpida…

Sua opinião deve ser respeitada.

É dessa maneira que se faz DEMOCRACIA.

E José Serra fez exatamente o oposto disto.

O candidato cortou o jornalista e o chamou de mentiroso (pois afirmou que ele não leu a cartilha, mesmo após ter ouvido do jornalista que ele havia lido).

A falta de respeito e de educação é característica de quem não tem o que dizer.

É coisa de ditador!

Para fazer tão grotesco papel, seria melhor que Serra tivesse ficado calado.

Seria melhor que tivesse ficado em casa.

Veja também:

Carlinhos Cachoeira e a justiça brasileira: Estão querendo soltá-lo…

Gráfica da Folha de São Paulo que vazou ENEM é condenada pela Justiça: E aí? Serra vai colocar no horário eleitoral?

Sobre as falhas do ENEM, será que Serra vai atacar seus ‘amigos’ da Folha?

Ou será que continuará fazendo acusações mentirosas e covardes…

Sobre educação, ver Jose Serra falar no assunto, chega a dar calafrios.

Ainda mais se quem estiver ouvindo for professor.

Com Serra governador, não houve políticas de valorização salarial ao professor (clique aqui).

E com relação ao tratamento dado ao docente, descontente com as condições de trabalho e salário, no governo Serra as tratativas foram todas feitas com a PM (clique aqui, aqui e aqui).

Um pouco do tratamento dado por Serra aos professores: Se pudesse, ele também levaria a PM ao debate…

Quem apóia Serra, deve gostar de ver milhões de analfabetos funcionais sendo formados com a progressão continuada (clique aqui).

Analfabetos que acreditarão na primeira mentira veiculada na imprensa.

Ou no horário eleitoral.

Do Estadão:

Campanha tucana usa falhas do Enem contra Haddad

10 /10/2012

Em 2009, primeiro ano em que foi ampliado para funcionar como processo seletivo das universidades federais, o exame vazou, foi cancelado e adiado pelo Ministério da Educação – o caso foi revelado pelo Estado. Em alguns locais, estudantes fizeram manifestações contra a prova.

A equipe de Serra escalou a juventude do PSDB para protagonizar a ofensiva contra o Enem. Eles visitaram universidades públicas e particulares nos últimos dias para recrutar estudantes interessados em fazer críticas públicas ao exame e ao candidato.

Agora a verdade.

Do Sul 21:

Gráfica da Folha de São Paulo que vazou ENEM é condenada pela Justiça a indenizar o Governo

15/10/2012

A Justiça Federal determinou que o consórcio formado pela gráfica Plural do grupo Folha, que edita o jornal Folha de São Paulo, terá que pagar ao governo R$ 73,4 milhões, em função do vazamento da prova do ENEM em 2009.

O valor deverá ser pago ao INEP (Instituo Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais).

Em setembro de 2009, o circuito de segurança da gráfica registrou o momento em que um funcionário saía do local com exemplares do caderno dois da prova do Enem debaixo da blusa. Depois ele tentou vender as provas para tevês e jornais.

Ainda falando em educação, Serra deveria ser o último a dar lições de moral.

O reitor da USP, João Grandino Rodas, foi escolhido por Serra, apesar de ter sido o perdedor na eleição democrática para o cargo (clique aqui).

A última vez que ocorreu uma intervençao do governo do estado na universidade, foi em 1981, durante a ditadura militar.

Essa é a idéia de democracia do Serra.

O resultado disso é um reitor sem apoio de alunos e funcionários e que precisa se impor através do medo (clique aqui).

Do medo e da falta de informação.

Quem precisa disso para alcançar seus objetivos, é porque não merece alcançá-los.

Veja também:

Confundido com professor, policial é torturado pela PM de Serra

Do Rodoanel ao desmoronamento do Metrô: Enquanto petistas são crucificados, ninguém mais fala das vidas que se perderam nas obras de Serra

Imagem: viomundo.com.br

Muda o filme. Porém os atores são, quase todos, os mesmos…

Da Hora do Povo:

Vice de Serra é processado por desvio de dinheiro público para uma fundação do dono da Veja

06/07/2012

O ex-secretário municipal de Educação, Alexandre Schneider (PSD), escolhido como candidato a vice na chapa do tucano José Serra, que disputa a prefeitura de São Paulo, é acusado de desvio de dinheiro público da prefeitura e do governo do Estado para favorecer a Fundação Victor Civita – ONG ligada ao grupo Abril, proprietário da revista Veja.

O processo tramita na 12ª Vara da Fazenda Pública.

A promotoria acusa Schneider de compadrio político, violando o princípio da impessoalidade, por contratar a fundação para prestação de serviço no chamado “Projeto de Formação Continuada para Diretores e Supervisores”, durante o período em que foi secretário de Educação na administração do atual prefeito Gilberto Kassab.

Serra e Schneider: A repetição de um velho filme… E o eleitor? Será que vai cair nessa?

O enredo parece de filme antigo.

Em São Paulo, o eleitor já foi enganado antes…

Em 2004, quando votou em Serra, São Paulo acabou levando Kassab.

O atual prefeito, cria política de Serra, que hoje amarga severa rejeição popular (clique aqui).

Kassab que impediu que deficientes físicos pudessem garantir seu sustento (clique aqui).

Kassab que criou em São Paulo as rampas anti-mendigos, (clique aqui), que proibiu o trabalho de artistas de rua (clique aqui).

Que teve sua gestão marcada por fraudes e escândalos (clique aqui, aqui, aqui e aqui).

Porém, na gestão Kassab, também tem gente que só teve motivos para comemorar…

Do Correio do Brasil:

Vereadores financiados por setor imobiliário são reeleitos em São Paulo

11/10/2012

Quatrodos seis integrantes da CPI dos Incêndios em Favelas conseguiram sereeleger ao cargo de vereador na cidade de São Paulo com campanhasfinanciadas pelo setor imobiliário. De acordo com dados parciais já divulgados pela Justiça Eleitoral, os reeleitos Ricardo Teixeira(PV), Souza Santos (PSD), Edir Sales (PSD) e Toninho Paiva (PR)receberam, juntos, R$ 826 mil de empresas do setor. Só a vereadora Edir Sales, a campeão de arrecadação do quarteto, recebeuexatamente R$ 620 mil de empresas daquele setor.

Enquanto isso…

Instalada pela Câmara dos Vereadores de São Paulo para investigar a causa das constantes ocorrências de incêndios em favelas na capital paulista,a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Incêndios está emperrada. Desde a sua criação, em abril, reúne apenas documentose declarações, realizou três reuniões e outras cinco foram canceladas por falta de quórum.

A omissão dos vereadores, todos aliados ao prefeito Gilberto Kassab(PSD), causa estranheza diante da situação de alerta pelo qual passam as comunidades.

Perto de 600 incêndios em favelas desde 2008 não tiveram a devida atenção dos vereadores da base aliada ao prefeito Gilberto Kassab. Eles simplesmente faltaram às reuniões (clique aqui).

Tem gente que acha que isso é ‘governar para o povo’…

Serra, que mais uma vez é candidato e tem como vice Alexandre Schneider, apóia o governo Kassab.

Seria bom o eleitor ter cuidado.

Veja também:

São Paulo, a capital do ’mundo cão’: Kassab ao retirar camelôs do centro, expulsa também deficientes físicos!!

Cara de pau! Após abandonar a cidade, Serra vai fazer propaganda de Kassab e dizer que deixou São Paulo em ”boas mãos”

Imagem: ajusticeiradeesquerda.blogspot.com

Se você ainda acha que o tucano é o ‘mais preparado’ para administrar São Paulo, precisa se informar um pouco mais.

Vamos contribuir com um pouco de informação.

Do Estadão:

Obra do Rodoanel desaba sobre rodovia Régis Bittencourt em SP

Três vigas de sustentação caíram sobre um caminhão e dois carros, deixando ao menos três pessoas feridas

13/11/2009

Pelo menos três pessoas ficaram feridas na noite desta sexta-feira, 13, após a queda de vigas de sustentação de um viaduto em construção no trecho sul do Rodoanel Mário Covas, em Embu das Artes, na Grande São Paulo. O governador de São Paulo, José Serra, esteve no local, onde se disse aliviado por não haver vítimas fatais.

TCU

Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU), entre maio e julho de 2008, apontou alterações no projeto básico da obra. Para reduzir os custos, as empresas contratadas alteraram métodos construtivos, com redução no número de vigas usadas em pontes, substituição de estacas metálicas por pré-moldadas e troca de areia por brita em muros de contenção. “Assim, usaram menos material de construção, mas receberam o mesmo dinheiro”, explica o relatório do Tribunal.

O documento do TCU aponta as irregularidades como “graves” e passíveis de resultar numa “combinação altamente danosa às finanças” da União e do Estado. “O desdobramento do processo pode gerar repactuação contratual, anulação do contrato e ressarcimento de valores.”

Fura-fila

Integra o consórcio responsável pelo lote 5 a empresa Carioca. Trata-se da mesma empresa responsável pela obra do viaduto do Fura-Fila que caiu na Vila Prudente, em 1º de abril de 2008. O lote 5, com 35 pontes e viadutos, tem 18,6 km de extensão e representa 19,7% da obra.

Da ISTOÉ:

Contratado para acelerar obra, Paulo Preto desprezou a qualidade

Para cumprir prazo, ex-diretor da Dersa antecipa pagamentos a empreiteiras, que teriam passado a usar materiais inferiores em trecho do Rodoanel que desabou sobre carros

25/10/2010

paulopreto.jpg

O ex-diretor da Dersa – empresa responsável pela manutenção das rodovias paulistas – Paulo Vieira de Souza permitiu que a empreiteira que construía o trecho sul do Rodoanel na grande São Paulo fizesse alterações no projeto, o que incluiu o uso de materiais mais baratos. O acordo foi feito para que a obra fosse entregue em um prazo menor. O objetivo era terminar o trecho até abril deste ano, quando o então governador do Estado José Serra iria deixar o cargo para concorrer à Presidência da República. Paulo Preto teria sido admitido na Dersa justamente com a missão de impedir que o atraso na obra prejudicasse a imagem do candidato.

A queda das vigas do Rodoanel já foi bastante grave, porém tinha coisa ainda pior.

Cidadãos perderam a vida, porque alguém queria aumentar seus lucros.

Eles tinham nomes:

Reinaldo Aparecido Leite

Wescley Adriano da Silva

Valéria Alves Marmit

Márcio Rodrigues Alambert

Abigail Rossi de Azevedo

Francisco Sabino Torres

Cícero Agostinho da Silva

Tinham família.

Porém foramesquecidos pelo Governo de São Paulo (clique aqui).

Da Folha:

Omissão do Metrô provocou cratera, afirma promotor

30/03/2010

Três anos depois do maior acidente nas obras do metrô de São Paulo, o Ministério Público ingressou com uma ação civil na qual aponta a omissão da companhia como o principal fator para a tragédia que deixou sete mortos em janeiro de 2007 no canteiro de obras em Pinheiros (zona oeste de SP).

Pelos danos materiais e morais provocados contra a população paulista, a Promotoria quer que a Justiça condene seis funcionários do Metrô ao pagamento de uma indenização de quase R$ 240 milhões.

Na ação, o Consórcio Via Amarela (CBPO [grupo Odebrecht], OAS, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Alstom), que constrói a linha 4 do metrô, também é apontado como responsável pelo acidente.

Para o promotor Saad Mazloum, além da série de problemas, como até erro de cálculos, o Metrô permitiu que as empresas fizessem uma economia irregular na obra, em detrimento da segurança, e que essa redução dos custos foi a forma que as empresas encontraram para ganhar mais dentro do modelo “turn key” (chave na mão, numa tradução livre).

“Essas empresas, objetivando aumentar os lucros, reduziram os custos –já que era um contrato fechado, que previa um determinado valor”, disse o promotor.

“A única maneira de aumentar a gordura dos lucros era reduzindo os custos. Para isso, as empresas não se constrangeram em adotar esse tipo de procedimento: economizando em material, economizando em pessoas, em profissionais, até em tecnologia”, afirmou Mazloum na ação.

O promotor disse que esse modelo de contratação não isenta o metrô de fiscalizar a execução da obra, pelo contrário, é um dever legal. “Ele [metrô] simplesmente abdicou dessa importante missão que lhe é deferida por lei”, disse o promotor.

O Consórcio Via Amarela, que tentou aumentar seu lucro reduzindo custos, divulgou um laudo culpando rocha pelo acidente (clique aqui) .

Culpar a rocha é o mesmo que culpar a faca pela facada…

É uma piada…

E de péssimo gosto.

Até quando teremos leis que beneficiam a prática de crimes?

Até quando os infratores serão tratados como CIDADÃOS, e as vítimas como COISAS?

Até quando teremos uma justiça, que julga olhando a capa de Veja.

Ou o Jornal Nacional.

E, tem gente que ainda bate palmas para esses caras…

Veja também:

Parentes de vítimas da cratera do Metrô são barrados na entrada da estação Pinheiros

Cratera do Metrô: Quem te mata continua impune… Até quando??

Ele vai ter coragem? Vereadores eleitos da base kassabista exigem que Serra, no segundo turno, carregue o pesado prefeito nas costas…

Buraco em Pinheiros é o 12º acidente das obras da linha 4

Vereadores da base kassabista da Câmara Municipal, que deveriam ficar quietinhos e felizes por terem escapado mira de um povo que rejeitou a administração de Gilberto Kassab (clique aqui), agora resolvem partir para o ataque.

A expressão do candidato Serra, mostra claramente a alegria de ser intimado a carregar Kassab, logo após receber a notícia de que o petista Fernando Haddad segue dez pontos à sua frente na corrida eleitoral.

Com tamanho peso, é difícil acreditar que o tucano tenha fôlego de continuar na corrida…

Da EXAME:

Vereadores eleitos exigem de Serra defesa de Kassab

10/10/2012

José Serra, do PSDB

Vereadores cobraram nesta terça-feira (9) de José Serra (PSDB) a defesa das realizações do prefeito Gilberto Kassab (PSD) como condição para entrarem “de cabeça” na campanha do candidato no 2.º turno das eleições municipais. A cobrança, uma orientação do próprio Kassab, foi feita pelo líder do PSD, Marco Aurélio Cunha, de Roberto Trípoli (PV), líder de governo e vereador mais votado, e do presidente da Casa, José Police Neto (PSD).

A defesa de Kassab, feita pelo ex-diretor sãopaulino Marco Aurélio Cunha, chega a ser comovente.

“O prefeito está sendo injustiçado pelo paulistano porque ninguém mostrou nem defendeu suas obras no 1.º turno. Não foram mostrados os avanços, ele só foi criticado sem defesa. Isso tem de mudar no 2º. turno. Até pelo sucesso da campanha”, afirma Marco Aurélio Cunha, reeleito no domingo. “O Kassab pode deixar a Prefeitura desgastado de tanto que apanhou na eleição sem que ninguém o tivesse defendido. Isso pode prejudicar o prefeito no futuro”, acrescenta.

Enquanto isso, ninguém derramou uma lágrima pelo povo que viu surgir as rampas anti mendigos (clique aqui).

Que viu trabalhadores ambulantes sendo tratados como cães (clique aqui e aqui).

Nem mesmo deficientes físicos foram perdoados (clique aqui).

Que viu artistas de rua sendo proibidos de trabalhar (clique aqui).

Que também viu as fraudes na inspeção Controlar (clique aqui), no Aprov onde um diretor da Prefeitura de São Paulo, conseguiu mais de 100 imóveis em sete anos de trabalho (clique aqui e aqui).

Que viu corrupção a valer a feirinha do Brás (clique aqui).

E não é tudo, tem muito mais… 

Então, QUER MAIS? VOTE SERRA!!

Será que essa é a mensagem que Serra deseja transmitir ao eleitor paulistano??

Veja também:

Controlar: MP pede afastamento de Kassab por fraude

MP: Esquema de corrupção na Prefeitura vai além de Aref e Aurélio Miguel

Nos porões da mídia golpista: A Veja, que apóia Serra, acusa os ‘mensaleiros do PT’? Pois Serra pagou bem caro pelo apoio deles…