Latest Entries »

Sensibilidade

url

Sensibilidade é um instante.

Um sopro.

Uma brisa.

Sensibilidade é água.

Água que corre.

Corre pelas mãos.

Tenho medo.

Medo que acabe.

Preciso de um copo.

Uma garrafa…

Um tanque.

Preciso de um jeito de evitar que tudo se perca.

Pois a água lava.

E ficamos limpos.

Porém ela fica suja.

E o que fazemos por ela?

Tenho medo.

Medo de permanecer sujo.

Medo de perder a minha sensibilidade.

Veja também:

Ausência (Por Carlos Drummond de Andrade)

Burrice coletiva: Será que podemos morrer disso???

Imagem: blogdofalcao.com

Anúncios

correiodoestado.com.br

Ausência

Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.

Veja também:

Os Poemas (Por Mario Quintana)

Relacionamentos e opiniões: Será que valeu a pena?

Imagem: correiodoestado.com.br

 

A falta de democracia dentro do PSDB possibilita candidatos eternos. Talvez tenhamos que ver o 'revigorado' Serra por mais um milênio...

Às vezes nos faltam forças para continuar discutindo política

Estava chegando em casa ontem, após um dia de trabalho, quando encontrei um vizinho no elevador.

– Olá! Tudo bem?

– Olha, estaria melhor sem a Dilma.

– Mas, sem a Dilma, vamos pensar. Vamos colocar quem no lugar dela?

Talvez Alckmin ou Serra.

E transformar a Petrobras em uma imensa Sabesp.

Competente apenas para tirar dinheiro do cidadão (clique aqui), para depois abandoná-lo sem água.

Talvez Aécio Neves.

E levar ao Governo Federal alguém acusado do desvio de mais de R$ 4 bilhões da saúde em Minas (clique aqui).

Ou do aeroporto em terras de sua família, construído com dinheiro público (clique aqui).

Falei isso mas não discutimos.

Ele deu apenas um sorriso amarelo e deixou o elevador.

Não sei se pensou a respeito.

Espero que tenha pensado.

Não quero sair às ruas para pedir a cabeça de Dilma.

Tampouco quero sair para defendê-la, já que nem a direção de seu partido se mostra muito disposta a fazê-lo.

E vi e vivi tempos em que a militância petista era admirada.

E temida.

Pessoas que saíam às ruas e conversavam com o povão.

E o povão ouvia essas pessoas.

Hoje eu vejo a direção petista distante do povão.

Distante de sua militância.

Hoje eu vejo militantes tristes, abandonados, sem motivação.

Enquanto isso a midia, que faz o papel de militante da oposição, segue mais motivada que nunca.

Dilma apanha diariamente.

O PT apanha diariamente.

Está fácil, muito fácil bater.

E todos culpam Dilma, porque está na moda.

Ela é culpada até pelo que não tem culpa.

Está fácil, muito fácil bater.

Meu vizinho é apenas um retrato da moda.

Vemos isso, diariamente, no Facebook.

Vemos no Whatsapp.

Vemos em todas as redes sociais.

E, tristemente, qual a melhor maneira de rebatê-los?

É perguntar se existe alguma coisa melhor que ela.

E existe???

Veja também:

Os Poemas (Por Mario Quintana)

Relacionamentos e opiniões: Será que valeu a pena?

1

Os Poemas

Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam
no livro que lês.

Quando fechas o livro, eles alçam voo
como de um alçapão.
Eles não têm pouso
nem porto
alimentam-se um instante em cada par de mãos
e partem. E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhado espanto de saberes
que o alimento deles já estava em ti…

Veja também:

 

Relacionamentos e opiniões: Será que valeu a pena?

Machistas. Feministas. Ou apenas o lado mais fraco de uma corda que arrebenta…

 

 

Imagem: poesiaspoemaseversos.com.br

Vejo mulheres infiéis.

Vejo homens cafajestes.

Vejo agressões.

Físicas e verbais.

Vejo a degradação humana.

E vejo tudo isso ocorrendo entre pessoas que deveriam se gostar.

Vejo tudo. O respeito, o carinho e o amor indo para a lata de lixo.

agressão

Ao mesmo tempo, vejo novos relacionamentos que começam.

Vejo pessoas que acreditam em outras pessoas.

Que se iludem por outras pessoas.

Novamente.

Será que elas não aprendem?

Mais uma história começa.

Uma história que não sabemos como acabará.

Nos resta torcer.

Na verdade, não nos resta muita coisa…

Esse era eu ontem.

Sem ilusões.

Ou surpresas.

Sem investir o suficiente para considerar como perda.

Porém hoje eu, sempre tão observador, vejo que as coisas mudaram.

Um pouco.

E vejo que as coisas mudaram depressa.

Ao ver a felicidade, percebemos que ela é igual a um vento que sopra.

E temos que aproveitar o vento…

Pois a vida é feita de momentos felizes e outros tristes.

São os momentos felizes e a lembrança de tais momentos que nos darão forças para enfrentar tristezas.

Assim como o vento, a felicidade muda.

As pessoas nos deixam.

Mesmo que não queiram nos deixar.

E a saudade nos consome.

Mas, de repente, surgem novos ventos.

Que nos enchem, como uma vela de barco.

E nos empurram adiante.

Um novo vento surgiu.

Não sei aonde esse novo vento me levará.

Só sei que quero seguir.

Estou cansado, muito cansado de ficar parado.

É hora de içar minha vela.

Hora de avistar novas paisagens.

Hora de se permitir sorrir.

E sorrir abertamente.

Mesmo que chore.

Mesmo que sofra.

Acho que, um dia, gostarei de me lembrar disso…

Veja também:

Revoltados de mentirinha. Será que alguém precisa deles?

Machistas. Feministas. Ou apenas o lado mais fraco de uma corda que arrebenta…

Imagem: http://www.conquistanews.com.br/

CUIDADO!!

mentira

Cuidado com pessoas que se revoltam com algumas coisas, mas não dão a mínima para outras.

Quem eles pensam que estão enganando?

O pior é que eles, com aquele discursinho de “Moralidade”, acabam enganando os mais incautos.

Revoltados seletivos.

Engraçado que não vimos nenhum deles protestando contra os casos de corrupção no Metrô de SP (clique aqui ).

Não vimos nenhum deles protestando contra a situação vergonhosa do abastecimento de água em SP (clique aqui ).

Nenhum deles também protestou contra as bostas que o governador do Paraná está fazendo com seu povo (clique aqui ).

Também nenhum deles protestou contra o senador Agripino Maia, pego em caso de corrupção (clique aqui ).

E o caso dos parlamentares, que aprovaram um pacote de “bondades”. E o tal pacote foi bom até com as esposas.

Só foi ruim para o contribuinte (clique aqui).

Não teve revolta.

Nem contra a omissão de patrimônio do senador Álvaro Dias (clique aqui).

Um dos que, na teoria, mais cobram transparência.

Mas na prática…

Agora, que vazaram inúmeras contas do HSBC (clique aqui).

Banco que é acusado de ignorar crimes de clientes e ajudar milhares de correntistas a sonegar impostos em seus

países.

E esses milhares de clientes/sonegadores?

Ao que parece, tem até dinheiro de traficantes.

Não se revoltam contra isso também?

Concluindo. Ao brasileiro normal um conselho.

Apenas um.

Não acredite em qualquer revolta ou em qualquer revoltado.

É bom ter cuidado.

O risco de ser enganado é enorme…

Veja também:

Machistas. Feministas. Ou apenas o lado mais fraco de uma corda que arrebenta…

Gustavo Castañon: Não se iludam, eles não vão desistir do Brasil

Imagem: http://robertlobato.com.br

 

Falando sobre o tema “machismo e família”, estava comentando sobre isso hoje.

E a conversa ficou interessante.

Falava com uma amiga sobre a criminalidade e sobre o elevado número de jovens e adolescentes mortos na guerra das drogas.

Daí eu comentei:

Me lembro que, há tempos atras, o pai saia para trabalhar e garantir o sustento da família.

Ele era o provedor da casa.

E, enquanto isso, a mãe tinha a responsabilidade de estar ao lado dos filhos.

De cuidar deles.

De orientá-los.

Uma abribuição mais importante até que, simplesmente, trazer dinheiro.

Era um sistema machista, mas funcionava para educar os filhos.

Havia muito menos criminalidade.

Pois, com o avanço do feminismo, aliado com uma queda de rendimento do pai (o velho provedor) através das décadas, vimos que a mulher também passou a sair para trabalhar.

Profissionalmente foi muito bom para ela.

Mas e para os filhos?

Com o pai fora o dia todo, com a mãe fora o dia todo, quem é que cuida dessa criança?

A realidade mostra quem é que cuidou.

Quem agradece (e muito) é o tráfico.

O tráfico que, graças à vida (e à morte) de nossas crianças, só fez crescer.

4
Deixando um pouco de lado machismos e feminismos, essa situação é dramática.

E só tende a piorar.

Precisamos da ação do Poder Público.

Não para construir mais presídios ou para armar a polícia.

Fazer isso é como enxugar gelo.

O Poder Público precisa investir em EDUCAÇÃO.

Mais escolas e melhores escolas precisam ser construídas.

Precisamos investir em ensino em tempo integral.

Assim a criança e o adolescente terão uma ocupação saudável.

A criança estuda pela manhã, depois fica na escola praticando esportes.

E com a supervisão de profissionais sérios e qualificados.

Podemos, nas escolas, formar bons nadadores, ginastas, velocistas…

Podemos transformar o Brasil em uma potência olímpica.

Principalmente, estaremos formando bons cidadãos.

Com isso, não será mais tão necessário construir presídios ou armar a polícia.

Enquanto houver embates e discussões entre homens e mulheres, entre machistas e feministas, ninguém sairá vitorioso.

Antes de brigar, devemos cobrar a contribuição do Poder Público.

Cadê a nossa educação de qualidade?

Cadê a contrapartida dos altos impostos pagos?

Precisamos do Poder Público como aliado.

Se não está ao nosso lado, precisa ser substituído.

Como um produto quebrado.

Quem dá educação básica?

Não são as prefeituras?

E quem dá educação à nivel médio?

Não são os governos estaduais?

Então vamos à luta!

Pois, se não cobrarmos (e muito), todos nós.

Homens e mulheres.

Machistas e feministas.

Papais e mamães.

Se não mostrarmos a nossa força (e os nossos dentes) enfrentando o que deve ser enfrentado, jamais teremos uma sociedade saudável.

Veja também:

Gerson Carneiro: Minha máscara caiu em pleno carnaval

Gerson Carneiro: Querem combater o machismo? Baixem as armas!

“No, I’m not going to the World Cup”.

 

Alguém se lembra disso?

E de Carla Dauden?

Alguém se lembra?

925263_622895137806565_2046281556_n

É provável (e bem provável) que, com o passar do tempo, cada vez menos pessoas se lembrem dela.

É o que ocorre com gente oportunista. 

Carla vive longe do Brasil (em Los Angeles) e, ao fazer o video onde diz “Não, eu não vou à Copa”, não se preocupou em gravá-lo em português.

O idioma de seu país.

Bom. Ao menos, imaginamos que a moça ainda considere o Brasil como “seu país”.

Ela não gravou em português. Ou seja, ela não estava falando com os brasileiros.

Não fala, porque não se preocupa de verdade com os brasileiros.

É o que ocorre com gente oportunista.

Naquele tempo (foi há um ano) tudo era especulação.

Ninguém sabia ao certo o que ocorreria em junho de 2014.

Mas chegou junho de 2014.

Chegou a Copa do Mundo.

E nenhuma previsão trágica se concretizou.

Causa espanto ver que Carla. Ela, que mora nos Estados Unidos, entenda tão pouco de propaganda.

Os Estados Unidos é a nação que mais investe em propaganda.

Nação que é tida como a que possui a economia mais desenvolvida.

Apesar de ter quase 50 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza

http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL1348381-5602,00-POBREZA+NOS+EUA+ATINGE+MILHOES+DE+PESSOAS.html

 Apesar de o desemprego e a miséria obrigarem pessoas a viverem como animais.

 

 

Mesmo assim, o governo norte-americano pode se dar ao luxo de tirar da boca de todas essas pessoas para investir em propaganda.

Por que Carla não está criticando o governo norte-americano?

Ah. É claro. Quase me esqueci.

Ela não critica os Estados Unidos, porque ela é oportunista.

Porém, além do oportunismo, a moça também mostra uma imensa falta de visão.

Provável que ela não goste do PT.

Provável que deteste Lula.

Talvez o político mais inteligente que já tivemos.

Uma figura respeitada no mundo inteiro.

A Copa do Mundo, esnobada por Carla, foi conquista de Lula.

E foi uma grandiosa jogada de propaganda.

Na propaganda existe o investimento.

Mas também existe o retorno.

E o retorno costuma ser muito, mas muito maior.

O mundo está agora com os olhos no Brasil.

E não só nos estádios, na hospedagem, na locomoção.

O mundo está vendo e admirando a nossa maior riqueza.

O nosso povo.

Carla Dauden gravou um video onde disse em uma língua estrageira.

 

“No, I’m not going to the World Cup”.

 

Pois podemos responder à ela.

E em bom português.

 

“Não, não venha! Você não fará a menor falta…”

 

Fazem oposição, sem enxergar as realizações do Governo Federal.

E, por isso perderam em 2006, perderam em 2010.

E caminham para nova derrota.

Previram o total fracasso na execução das obras para a Copa:

veja

 

Fizeram a previsão de que os estádios não estariam prontos antes de 2038.

Erraram.

E erraram de maneira grotesca.

Um pedido de desculpas seria digno da parte deles.

O leitor, que ainda gasta o seu dinheiro comprando a revista, merecia isso.

Mas eles não tiveram essa dignidade.

Talvez seria melhor não mais tratar do assunto “Copa do Mundo”.

Afinal, eles mostraram que pouco entendem do assunto.

Mas eles insistiram.

Publiaram uma nova capa.

Desta vez com uma bonita torcedora.

Uma torcedora com os dentes perfeitos.

Uma torcedora loura.

capa380

Mas será que a torcedora de Veja é o retrato fiel do torcedor brasileiro?

O censo do IBGE mostra que não é.

http://oglobo.globo.com/politica/censo-2010-populacao-do-brasil-deixa-de-ser-predominantemente-branca-2789597

A revista que erra em suas previsões, também não enxerga o povo de seu país.

E pratica, sem a menor cerimônia, segregação racial em suas páginas.

Eles também afirmam que a Copa não deixará legado.

Bom. Eles podem afirmar o que quiserem.

Não precisam mais se preocupar com sua credibilidade.

Não precisam, pois a credibilidade já foi perdida.

E foi perdida há um bom tempo…

Está sendo votado nesta quarta-feira (10) na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, o Projeto de Lei nº 4330/04 que permite a terceirização em todas as atividades das empresas (clique aqui)

Projeto de autoria do deputado Sandro Mabel (PMDB-GO).

Na terceira reunião da Mesa de Negociação Quadripartite, formada por representantes das centrais sindicais, governo, parlamentares e empresários, realizada nesta terça-feira (9), a bancada patronal rejeitou as alterações no PL propostas pela bancada sindical.

Caso o projeto seja aprovado como está, a classe trabalhadora sairá com um prejuízo histórico.

Tanto que as centrais sindicais já se comprometeram a tornar público o nome dos parlamentares que apoiarem o projeto de Mabel (clique aqui).

Mas o que o polêmico projeto tem de tão ruim?

Vamos resumir a proposta de Sandro Mabel:

bancariose.com.br
O grande empresário não precisa mais contratar funcionários. Para isso, ele vai encarregar diversas empresas “Zé Bunda” para fazer.

Teoricamente não se percebe grandes mudanças. Porém o grande empresário tem um nome, uma imagem a zelar.

E isso vale muito.

Diferente da empresa “Zé Bunda”. Eles podem deixar de recolher INSS, FGTS e podem prejudicar a vida de diversos trabalhadores.

Trabalhadores que trabalham na grande empresa, mas com vínculo com o “Zé Bunda”.

E depois, quando a bomba explodir, vai explodir no colo do “Zé Bunda”. Ele perderá as diversas ações trabalhistas movidas contra ele.

Inadimplente, sem condições (ou vontade) de pagar, vai acabar sendo declarada sua falência.

Decretada sua falência pelo juiz, será dado início ao processo de execução coletiva dos bens.

Mas o “Zé Bunda” não terá bens em seu nome. E agora?

Agora, provavelmente, o grande empresário já terá outros funcionários produzindo.

Funcionários contratados, é claro, por outra empresa “Zé Bunda”.

Não é um “avanço” a proposta do tal Mabel??

E o cara ainda tem nome de uma bolacha dura e ruim…

Leia a integra do projeto (clique aqui).

E depois decida sobre quem está com a razão.

Sandro Mabel e a bancada patronal. Ou os sindicalistas (que representam os interesses da classe trabalhadora).

Também será interessante para decidir em quem não votar, nas próximas eleições…

 Veja também:

Projeto da Terceirização: CUT divulgará nomes de deputados que votarem contra a classe trabalhadora

Trabalhadores vão para as ruas no dia 11 de julho contra o projeto de Sandro Mabel: Não à Terceirização!

Imagem: bancariose.com.br

Tem muita gente bancando o “revoltadinho das ruas”, mas agora vai ficar contra a reforma política.

Aqueles que defendem a democracia na teoria, na prática defendem outra coisa.

Plebiscito não é ouvir 10 mil, 20 mil, 50 mil pessoas nas ruas.

Isso não é democracia.Não chega a ser.

É, no máximo, um São Paulo X Corinthians.

Plebiscito é ouvir milhões de pessoas nas ruas.

ISSO SIM É OUVIR A MAIORIA ABSOLUTA!!

É OUVIR OPINIÃO DO POVO!!

O resto é brincadeira de criança mimada.

Quem fez a proposta recebeu mais de 55 milhões de votos (clique aqui).

Dá só uma olhada em quem  se colocacontra a idéia de dar voz ao povo…

Do BRASIL 247:

SERRA: PROPOSTA DE PLEBISCITO É “ABSURDA”

images-cms-image-000321791

25/06/2013

Para ele, é “fora da realidade” e “sem pé nem cabeça” a realização do plebiscito. “Tem que aprovar uma lei no Congresso Nacional. Se aprovar, marcar a data, fazer horário eleitoral para o povo ir votar. Quanto demora? Seis meses. Depois tem que eleger os membros da Constituinte. Em pleno ano eleitoral [2014], uma confusão dessas, porque ela ouviu falar em reforma política?”, questionou.

Ao falar em reforma política, será inevitável falar em financiamento de campanhas.

Teremos que falar em empreiteiras e grandes empresários que colocam milhões, turbinando a campanha de certos candidatos.

Candidatos estes que, depois de eleitos, vão ajudar seus “amigos” em licitações de obras públicas e processos de privatizações.

É um ótimo negócio para todos, menos para o povo.

E o povo (aquele que sempre é passado para trás) não será ouvido.

Essa é a idéia de políticos como Serra.

Andaram dizendo que “o Brasil que acordou”. E será que o Brasil ficará quieto vendo isso?

Veja também:

Justiça Federal reconhece fraude na privatização da Vale

O lado político das manifestações que se diziam “sem partido”

Imagem: http://www.brasil247.com

Do Facebook:

Captura de tela de 2013-06-22 17:23:28

O cidadão publicou a foto na rede social, classificou outra pessoa como “TRAIDOR” e “JUDAS”, ofendendo sua dignidade e ainda pediu que ela fosse compartilhada e divulgada.

Pois estamos divulgando…

Porém não concordamos com a prática ofensiva.

Fica a pergunta:

Quer dizer que “ele se vendeu ao PT”?

Por que ele não poderia “se vender ao PSDB”, por exemplo?

O partido que está a quase 20 anos no governo de SP e jamais reduziu o preço do metrô.

Que muito pouco investiu no metrô.

Quem pega o metrô na estação Corinthians Itaquera ou na estação Artur Alvim, todas as manhãs, sabe bem o que estou falando.

Mas o garotâo que posta a foto do “traidor” e aparece de paletó e gravata não deve saber o que é andar de metrô lotado.

Ele está pouco se lixando para o MPL e suas reivindicações.

Ele e seus amigos riquinhos.

Ele também deve querer acabar com as cotas de negros nas universidades.

Ou com programas de inclusão social como o Bolsa família ou o Minha Casa, Minha Vida.

Deve odiar pobre, acreditando que pobre somente existe para servi-lo.

O rapaz que se chama Washington (como a capital dos Estados Unidos), utiliza as redes sociais para rotular um cidadão como “judas”.

É isso aí!! Vamos utilizar o direito democrático de persegui-lo.

Hoje ele é perseguido, amanhã poderá ser morto.

Trucidado como um Judas na sexta-feira da Paixão.

E tudo em nome dessa “nova democracia”.

Essa que mostra bandidos (ou melhor “cidadãos”) saqueando lojas, incendiando veículos e destruindo tudo pela frente.

Essa “nova democracia” é uma mentira.

Mas tome cuidado!!

Caso não concorde com ela, você também poderá ser perseguido…

Veja também:

Manifestante dizia: “Foda-se o Brasil, nacionalismo é coisa de imbecil”

O MPL E SUA PAUTA DE REIVINDICAÇÕES

E se a história da segunda guerra mundial fosse registrada no facebook?

Imagem: facebook