Category: Privataria


Tem gente afirmando que o governo deveria pedir desculpas pelos aeroportos (clique aqui).

As mesmas pessoas que tratam por privatização, a concessão que foi feita.

Eles, que fizeram inúmeras privatizações, não sabem a diferença?

Concessão, por um tempo determinado, outorga que faz o poder público a um particular ou a uma empresa privada, do direito de executar, em seu nome e mediante certos encargos e obrigações, uma obra, ou a exploração de serviço público (clique aqui).

Um leigo poderia não saber a diferença. Mas eles tinham que saber!!

Eles são incompetentes? Ou incompetentes fomos nós, que votamos neles…

Vamos ver o que foi definido para os aeroportos, ainda em 2011.

Governo define lance mínimo para concessão de aeroportos

15 DE DEZEMBRO DE 2011

O governo definiu hoje (15) os valores das outorgas para o leilão de concessões dos aeroportos internacionais de Brasília, Viracopos e Guarulhos. O lance mínimo para Guarulhos será R$ 3,4 bilhões, para Viracopos, de R$ 1,5 bilhão, e para Brasília, de R$ 582 milhões. Os editais serão publicados ainda hoje em edição extra do Diário Oficial da União. O leilão das concessões será no dia 6 de fevereiro de 2012 na Bolsa de Valores de São Paulo.

O vencedor da licitação de Guarulhos poderá operar o terminal por 20 anos. O prazo de concessão do terminal de Brasília será de 25 anos e o de Viracopos de 30 anos.

Colocamos em destaque o tempo para deixar bem claro. Os aeroportos não foram entregues, como vergonhosamente ocorreu com o sistema Telebrás e a Vale do Rio Doce, por exemplo.

E a concessão não saiu por R$ 3,4 bi para Guarulhos, R$ 1,5 para Viracopos e R$ 582 milhões para Brasília, totalizando R$ 5,482 bilhões.

Na verdade o valor ficou bem além disso…

Governo arrecada R$ 24,5 bilhões com leilão de três aeroportos internacionais

06.02.2012

Como disse bem o Edu Guimarães, para que se consiga mensurar o valor impressionante alcançado pelo arrendamento dos aeroportos a prazo fixo, a venda do controle acionário do sistema Telebrás, em 1998 – um negócio que entregou para sempre toda a estrutura e direitos de exploração das telecomunicações –, arrecadou míseros 19 bilhões de dólares, à cotação da época, o que, à cotação de hoje, significariam cerca de 33 bilhões de reais.

E nem vamos falar da privatização da Vale para não ficarmos nervosos.

Falando em ficar nervoso…

Quem entregou, para sempre, nosso patrimônio. Quem hoje, para se manter politicamente vivo, precisa apelar para a mentira.

Pessoas que não deveriam pedir desculpas.

Desculpas não cobrem o dano que foi causado.

São eles que criticam, quando deveriam se calar.

Veja também:

A ditadura e a mentira por dentro da sacolinha: Quase todos os produtos vendidos pelos supermercados, são embalados em plástico e agridem o meio ambiente

O Estadão denunciou, acredita? Filiados tucanos nem sabem que são tucanos…

Imagem: http://www.blogcidadania.com.br


A privatização, no mercado das teles, mostra seu lado mais obscuro.

A Anatel foi criada em 1997, durante o primeiro governo de Fernando Henrique Cardoso, foi criada para ser uma agência reguladora.

Regulamentar, outorgar e fiscalizar. Assim podem ser resumidas as principais atribuições da Anatel, desenvolvidas para cumprir a missão de “promover o desenvolvimento das telecomunicações do País de modo a dotá-lo de uma moderna e eficiente infraestrutura de telecomunicações, capaz de oferecer à sociedade serviços adequados, diversificados e a preços justos, em todo o território nacional”.

Porém, na prática, a história é bem diferente…

A agência reguladora funciona apenas para punir o usuário (clique aqui), usuário que já é punido pelas pesadas tarifas (clique aqui).

E a qualidade do serviço?

Fomos comparados com países, teóricamente, mais pobres. Veja o resultado.

Do MSN:

Brasil é o pais mais atrasado em internet móvel de toda América Latina

Uma recente pesquisa da empresa ComScore mostra que o Brasil está bastante atrasado quando levamos em conta o acesso à internet móvel. Países como Venezuela, Equador e Peru estão na frente de nós.

Do blog HOJEtelecom:

Monopólio de operadoras no Brasil assaltam os bolsos dos cidadãos com serviços precários

Devido as tarifas serem as mais altas do mundo e a oferta insuficiente, o Brasil possui uma das piores utilizações de telefonia. A tarifa de um celular pré-pago no Brasil é 38 vezes mais cara do que na Índia, e os minutos utilizados por assinante é um quarto da quantidade na China.

Brasil paga a mais alta taxa de telefonia celular pré-paga do mundo

Mesmo na América Latina, o Brasil deixa a desejar. A quantidade de SMS enviados por usuário na Venezuela é quase 15 vezes superior. Como consequência das altas tarifas, o brasileiro médio utiliza o celular somente para recados ou para retornar ligações de outro telefone.

Em relatório divulgado em março de 2010 pela Secretaria de Direito Econômico do Ministério da Justiça,na qual realizou um dos principais estudos do setor, alega que: “O telefone celular funciona como o telefone de recado de outrora, quando se fornecia o número de um vizinho ou parente para que se pudesse ser contactado, mas a possibilidade de efetuar chamadas deste mesmo número era reduzida.”

Na verdade, nem as teles e nem a Anatel se preocupa, de fato, com a qualidade do serviço prestado. Mas apenas com o lucro fácil (clique aqui).

Tampouco a Anatel fiscaliza quem visa lucro, usando nosso patrimônio (clique aqui).

O Brasil, até hoje, colhe os frutos de uma “PRIVATARIA”.

Contamos com uma justiça que só pune o humilde.

E pune severamente.

Enquanto isso, permanecemos desamparados. 

Pagando caro e falando sozinho.

Veja também:

Aumentos em São Paulo: Roubo de veículos, latrocínios… Só o respeito diminui!!

Bens nacionais avaliados em 30 bilhões são transferidos para as teles sem a menor fiscalização da Anatel