Vejo mulheres infiéis.

Vejo homens cafajestes.

Vejo agressões.

Físicas e verbais.

Vejo a degradação humana.

E vejo tudo isso ocorrendo entre pessoas que deveriam se gostar.

Vejo tudo. O respeito, o carinho e o amor indo para a lata de lixo.

agressão

Ao mesmo tempo, vejo novos relacionamentos que começam.

Vejo pessoas que acreditam em outras pessoas.

Que se iludem por outras pessoas.

Novamente.

Será que elas não aprendem?

Mais uma história começa.

Uma história que não sabemos como acabará.

Nos resta torcer.

Na verdade, não nos resta muita coisa…

Esse era eu ontem.

Sem ilusões.

Ou surpresas.

Sem investir o suficiente para considerar como perda.

Porém hoje eu, sempre tão observador, vejo que as coisas mudaram.

Um pouco.

E vejo que as coisas mudaram depressa.

Ao ver a felicidade, percebemos que ela é igual a um vento que sopra.

E temos que aproveitar o vento…

Pois a vida é feita de momentos felizes e outros tristes.

São os momentos felizes e a lembrança de tais momentos que nos darão forças para enfrentar tristezas.

Assim como o vento, a felicidade muda.

As pessoas nos deixam.

Mesmo que não queiram nos deixar.

E a saudade nos consome.

Mas, de repente, surgem novos ventos.

Que nos enchem, como uma vela de barco.

E nos empurram adiante.

Um novo vento surgiu.

Não sei aonde esse novo vento me levará.

Só sei que quero seguir.

Estou cansado, muito cansado de ficar parado.

É hora de içar minha vela.

Hora de avistar novas paisagens.

Hora de se permitir sorrir.

E sorrir abertamente.

Mesmo que chore.

Mesmo que sofra.

Acho que, um dia, gostarei de me lembrar disso…

Veja também:

Revoltados de mentirinha. Será que alguém precisa deles?

Machistas. Feministas. Ou apenas o lado mais fraco de uma corda que arrebenta…

Imagem: http://www.conquistanews.com.br/