Archive for junho, 2013


Tem muita gente bancando o “revoltadinho das ruas”, mas agora vai ficar contra a reforma política.

Aqueles que defendem a democracia na teoria, na prática defendem outra coisa.

Plebiscito não é ouvir 10 mil, 20 mil, 50 mil pessoas nas ruas.

Isso não é democracia.Não chega a ser.

É, no máximo, um São Paulo X Corinthians.

Plebiscito é ouvir milhões de pessoas nas ruas.

ISSO SIM É OUVIR A MAIORIA ABSOLUTA!!

É OUVIR OPINIÃO DO POVO!!

O resto é brincadeira de criança mimada.

Quem fez a proposta recebeu mais de 55 milhões de votos (clique aqui).

Dá só uma olhada em quem  se colocacontra a idéia de dar voz ao povo…

Do BRASIL 247:

SERRA: PROPOSTA DE PLEBISCITO É “ABSURDA”

images-cms-image-000321791

25/06/2013

Para ele, é “fora da realidade” e “sem pé nem cabeça” a realização do plebiscito. “Tem que aprovar uma lei no Congresso Nacional. Se aprovar, marcar a data, fazer horário eleitoral para o povo ir votar. Quanto demora? Seis meses. Depois tem que eleger os membros da Constituinte. Em pleno ano eleitoral [2014], uma confusão dessas, porque ela ouviu falar em reforma política?”, questionou.

Ao falar em reforma política, será inevitável falar em financiamento de campanhas.

Teremos que falar em empreiteiras e grandes empresários que colocam milhões, turbinando a campanha de certos candidatos.

Candidatos estes que, depois de eleitos, vão ajudar seus “amigos” em licitações de obras públicas e processos de privatizações.

É um ótimo negócio para todos, menos para o povo.

E o povo (aquele que sempre é passado para trás) não será ouvido.

Essa é a idéia de políticos como Serra.

Andaram dizendo que “o Brasil que acordou”. E será que o Brasil ficará quieto vendo isso?

Veja também:

Justiça Federal reconhece fraude na privatização da Vale

O lado político das manifestações que se diziam “sem partido”

Imagem: http://www.brasil247.com

Do Facebook:

Captura de tela de 2013-06-22 17:23:28

O cidadão publicou a foto na rede social, classificou outra pessoa como “TRAIDOR” e “JUDAS”, ofendendo sua dignidade e ainda pediu que ela fosse compartilhada e divulgada.

Pois estamos divulgando…

Porém não concordamos com a prática ofensiva.

Fica a pergunta:

Quer dizer que “ele se vendeu ao PT”?

Por que ele não poderia “se vender ao PSDB”, por exemplo?

O partido que está a quase 20 anos no governo de SP e jamais reduziu o preço do metrô.

Que muito pouco investiu no metrô.

Quem pega o metrô na estação Corinthians Itaquera ou na estação Artur Alvim, todas as manhãs, sabe bem o que estou falando.

Mas o garotâo que posta a foto do “traidor” e aparece de paletó e gravata não deve saber o que é andar de metrô lotado.

Ele está pouco se lixando para o MPL e suas reivindicações.

Ele e seus amigos riquinhos.

Ele também deve querer acabar com as cotas de negros nas universidades.

Ou com programas de inclusão social como o Bolsa família ou o Minha Casa, Minha Vida.

Deve odiar pobre, acreditando que pobre somente existe para servi-lo.

O rapaz que se chama Washington (como a capital dos Estados Unidos), utiliza as redes sociais para rotular um cidadão como “judas”.

É isso aí!! Vamos utilizar o direito democrático de persegui-lo.

Hoje ele é perseguido, amanhã poderá ser morto.

Trucidado como um Judas na sexta-feira da Paixão.

E tudo em nome dessa “nova democracia”.

Essa que mostra bandidos (ou melhor “cidadãos”) saqueando lojas, incendiando veículos e destruindo tudo pela frente.

Essa “nova democracia” é uma mentira.

Mas tome cuidado!!

Caso não concorde com ela, você também poderá ser perseguido…

Veja também:

Manifestante dizia: “Foda-se o Brasil, nacionalismo é coisa de imbecil”

O MPL E SUA PAUTA DE REIVINDICAÇÕES

E se a história da segunda guerra mundial fosse registrada no facebook?

Imagem: facebook

17jun2013---manifestantes-chegam-ao-cruzamentos-das-avenidas-faria-lima-e-reboucas-em-pinheiros-zona-oeste-de-sao-paulo-no-5-protesto-contra-o-aumento-das-tarifas-do-transporte-coletivo-1371505262094_615x300

Temos visto uma mobilização espantosa por várias cidades brasileiras.

Belas manifestações, porém com momentos de selvageria.

Vimos manifestantes tentando invadir o Palácio dos Bandeirantes.

Também vimos no RJ, a tentativa de invadir a Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

Vimos também um veículo sendo incendiado.

Ao que parece, tudo isso é pela revogação do aumento de tarifas do transporte público.

Porém o buraco é bem mais embaixo…

Os nossos bolsos também são violentados por pedágios caríssimos (e isso não é de hoje).

Pagamos uma altíssima carga tributária e não temos, por parte do estado, investimentos em Segurança Pública.

Uma infinidade de filhos, filhas, esposos, esposas, pais e mães são assassinados todos os dias por criminosos (e isso não é de hoje).

A PM, importante instrumento do governador para agredir manifestantes, professores, moradores de rua ou dependentes químicos, é um verdadeiro fracasso para combater a criminalidade.

Policiais que recebem salários de fome e que trabalham em várias jornadas para complementar o salário.

Com tais condições de trabalho, fica bem difícil garantir a segurança da população (e isso não é de hoje).

Pagamos uma altíssima carga tributária e não temos, por parte do estado, investimentos em Saúde Pública.

Uma infinidade de filhos, filhas, esposos, esposas, pais e mães morrem todos os dias sem atendimento médico decente (e isso não é de hoje).

Também podemos dizer que foram assassinados.

Temos políticos que estão no poder há muitos anos (em São Paulo já são décadas), e não conseguiram dar ao povo o básico.

Não conseguiram dar respeito ao povo.

Apesar de não concordar com manifestações violentas, ver um número imenso de manifestantes batendo às portas de Alckmin não parece ser surpresa.

Esse senhor tem muitas explicações a dar.

Hoje pudemos ver uma grande mobilização.

E, caso ainda não notaram, não foi apenas por alguns centavos na tarifa.

Veja também:

Ato com 65 mil participantes fecha marginal Pinheiros, emSP, e chega ao Palácio dos Bandeirantes

SP: Movimento Passe Livre diz que só negocia revogação de aumento

Imagem: http://noticias.uol.com.br