Quem não vive em São Paulo, deve ter achado graça da notícia.

Porém, quem paga caro para ver a “despoluição” do rio e não vê nada, além do seu dinheiro desaparecer, não deve estar feliz.

Desde 1992, ouvimos a mesma conversa de despoluição do rio.

Mas, tirando a conversa mole, temos visto muito pouca ação afetiva (clique aqui).

A despoluição do rio passou pelos governos Fleury, por dois governos Covas, por Geraldo Alckmin, por Serra e voltou para Alckmin.

Tirando o primeiro, todos os outros governadores pertencendo a um único partido.

Até na tragédia,eles fazem propaganda…

Seria melhor que o governador se limitasse a pegar o nosso dinheiro suado, ficando calado.

Mas ele gosta de falar…

Do Estadão:

Alckmin quer barco turístico no Tietê

18/09/2012

Em três anos, o Rio Tietê terá passeios de bateau mouche como os do Rio Sena, de Paris, segundo o governador Geraldo Alckmin (PSDB). Nesta terça-feira, 18, durante a apresentação de uma das 564 obras em andamento da terceira fase do Projeto Tietê, Alckmin disse que, com a conclusão dessa etapa de despoluição, prevista para 2015, as águas do Tietê estarão sem odor e já terão alguma vida aquática. Por isso, seria possível, segundo ele, que o curso das águas se tornasse um novo ponto turístico da cidade.

Ponto turístico, o Tietê.

Partindo dessa linha de raciocínio, poderíamos ter outros pontos turísticos.

Poderíamos navegar pelas ruas, durantes as enchentes.

Poderíamos também fazer excursões para acompanhar os incêndios em nossas favelas.

Prá quem gosta de ver tragédias na TV, travestidas de “jornalismo verdade” (clique aqui), está inaugurada uma nova modalidade de turismo.

Talvez, realmente, seja bom.

Assim todos poderão ver de perto a incompetência de nossos governantes…

Obs: A postagem de hoje saiu, atendendo a um pedido especial.

Veja também:

Tietê: Limpo como a consciência tucana

Após 18 anos e US$ 1,6 bi, Tietê fica pior na grande SP

Imagem: tonigumauskas.wordpress.com

Anúncios