Na noite desta sexta-feira (14/09), após um dia de trabalho desgastante, recebi a notícia do falecimento de uma querida amiga.

Ela morreu em sua casa, dormindo, vítima de um infarto fulminante.

Sua filha, ao encontrar o corpo, ligou imediatamente para a polícia e recebeu pronto atendimento.

Fomos encaminhados à delegacia de polícia da região, onde o delegado, após os procedimentos de rotina, achou melhor encaminhar o caso para os médicos do IML.

Ele poderia ter acionado o SVO (responsáveis por falecimentos por causas naturais) porém, devido ao histórico de demoras por parte do órgão da prefeitura (clique aqui), a autoridade preferiu encaminhar o caso ao IML.

O atendimento prestado pelo IML foi rápido e a causa-mortis de minha amiga foi “infarto agudo do miocárdio”.

Apesar do laudo do especialista, definindo como MORTE NATURAL, o órgão do serviço funerário de São Paulo preferiu proceder como em caso de morte violenta (clique aqui).

O laudo assinado pelo médico legista foi desconsiderado e tivemos que nos dirigir ao Forum Ministro Mario Guimaraes, para buscar a assinatura de um magistrado para proceder com a cremação (conforme vontade de minha amiga).

Por aqui a cruz tem duplo significado: Primeiro a morte do ente querido, depois o calvário de seus familiares…

Fica a pergunta: “UM JUÍZ TEM MAIS CONDIÇÕES QUE UM MÉDICO DE DEFINIR A CAUSA-MORTIS?”

Em caso afirmativo, “POR QUE ENTÃO O JUÍZ NÃO TRABALHA, LIBERANDO CADÁVERES?”

Conseguimos, após horas de estúpida peregrinação, a autorização para a cremação.

Ao que parece, a prefeitura (que comercializa sepulturas), tem maior interesse em fazer sepultamentos convencionais.

É engraçado que a prefeitura paulistana, tão preocupada com o meio ambiente, com as controvertidas brigas judiciais contra a sacolinha (clique aqui) ou com os escândalos da inspeção Controlar (clique aqui), ainda permita que o nosso solo seja envenenado pelos resíduos da decomposição cadavérica (clique aqui).

A cremação deveria ser objeto de incentivo!!!

E não de punicão…

Veja também:

Sacolinhas e cidadania: WalMart entrou com recurso contra distribuição gratuita? Simples… Não compre mais no WalMart

Infraestrutura e feriado: Em São Paulo isso não combina…

Imagem: wallpaper4god.com

Anúncios