Ou seja, temos 19 senadores que acreditam que Demóstenes Torres, que colocou seu mandato à seviço do crime organizado, agiu bem.

E, se acham dessa maneira, podem muito bem se tornarem os próximos a agir como Demóstenes…

Porém, devido ao voto secreto (clique aqui), seus eleitores jamais saberão ao certo como votou o seu representante.

E, nas próximas eleições, serão presas fáceis de discursos bem elaborados e campanhas caras.

Demóstenes foi cassado, mas jamais saberemos quem votou pela sua cassação.

Do Senado:

Cassado pelo Senado, Demóstenes Torres está inelegível até 2027

A carreira política de Demóstenes Torres no Senado chegou ao fim às 13h24 desta quarta-feira (11), depois de 103 dias de agonia iniciados pela representação do PSOL no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. Numa sessão histórica, o projeto de resolução (PRS) 22/12, determinando a cassação do senador, foi aprovado com a anuência de 56 parlamentares. Outros 19 foram contrários e se registraram cinco abstenções.

Com a perda do mandato, Demóstenes fica inelegível por oito anos contados a partir do fim do mandato para o qual havia sido eleito. Ou seja, só poderá concorrer a um cargo político em 2028, visto que seu mandato se encerraria em fevereiro de 2019 e não há eleições previstas para outubro de 2027, seguindo-se o calendário atual.

No lugar dele, deve assumir o primeiro suplente, Wilder Pedro de Morais, de 44 anos, filiado ao DEM, ex-partido de Demóstenes.

Wilder Pedro de Morais, por coincidência é ex-marido de Andressa Mendonça, atual mulher de Carlinhos Cachoeira.

Os senadores agora defende o fim do voto secreto (clique aqui), ao menos dizem que defendem…

Mas se realmente é isso o que querem, por que o voto secreto existe até hoje.

Será que o que eles falam em público, é o mesmo que o que decidem EM SEGREDO?

Veja também:

UFC 148: Rede Globo mente, vira #GloboFail e transforma ‘luta do século’ em ‘piada do ano’

Wilder foi o segundo maior doador na campanha de Demóstenes

Democracia e legitimidade: Quem é o Paraguai, para falar sobre a Venezuela?

Imagem: senado.gov.br

Anúncios