Archive for agosto, 2010


Muito pedágio.

Não vou me alongar mais,vejam:

Trecho de 50 Km com 4 pedágios…

E com pista única.

O que mostra claramente um fato real em SP.

Mais vale uma boa propaganda que um bom governo.

Bom governo não.

Governo CADA VEZ MELHOR.

Anúncios

Não dá para falar em Geraldo Alckmin,e não falar em abandono…

Em matéria de Segurança Pública,o abandono se pôde notar com total clareza em 2006.

Na verdade,o que ocorreu era uma tragédia anunciada…

O crime organizado ganhando força,até mesmo dentro dos presídios paulistas.

Veja o balanço final da tragédia.Ou melhor,do crime cometido contra São Paulo.

http://pt.wikinews.org/wiki/Balan%C3%A7o_dos_ataques_do_PCC_impressiona

Balanço dos ataques do PCC impressiona

A organização criminosa conhecida como Primeiro Comando da Capital (PCC) iniciou na noite de 12/05/2006 uma onda de ataques no Estado de São Paulo.

O Estado de São Paulo é o mais rico e desenvolvido do Brasil. Ele também é maior do que o Reino Unido, com uma população de quase 40 milhões contra 60 milhões desse último.

O número de mortos nos ataques ocorridos no Brasil, superaram em números as baixas em conflitos no Iraque e no Afeganistão.

Houve ataques contra ônibus, casa de policiais, bancos, metrô, num total de 293 ocorrências em todo o estado. Morreram 152 pessoas, das quais: 107 criminosos, 41 policiais ou agentes de segurança e 4 civis. Os dados são da Secretaria de Segurança Pública segundo o último boletim divulgado quinta-feira (18). É provável que esse balanço sofra alterações.

Os ataques do PCC impressionaram não só pelos números, mas pela organização.

Os ataques foram cuidadosamente dirigidos contra alvos públicos e autoridades. Postos de polícia foram atacados com bombas e policiais foram pegos de surpresa na rua e executados covardemente. Agências bancárias e ônibus foram outros alvos preferenciais dos criminosos.

O PCC teve o cuidado de evitar baixas entre a população civil. Desde o início dos ataques morreram apenas 4 cidadãos comuns, alguns mortos porque provavelmente foram confundidos com policiais.

O terror se espalhou por praticamente todo o Estado de São Paulo. Na segunda-feira, os bandidos conseguiram provocar o fechamento do comércio, de escolas, universidades, shoppings centers e até de prédios públicos, como: fóruns e prefeituras.

A situação voltou praticamente ao normal nas cidades do Estado na terça-feira (16), depois que os chefes do PCC ordenaram o fim da revolta, em meio a suspeitas não confirmadas de que o governo do estado acatou algumas das reivindicações dos bandidos.

As rebeliões nos presídios foram controladas e a maior parte dos ataques terminou. Na capital e em algumas cidades bandidos continuaram a atacar ônibus e postos policiais depois de terça, mas num ritmo cada vez mais reduzido.

Balanço dos ataques do PCC no Estado de São Paulo

Números divulgados pela Secretaria de Segurança Pública do Estado no dia 18 de maio de 2006 [1].

Dados parciais e não definitivos.

Total de ataques: 293

  • Ônibus: 82
  • Casas de policiais: 56
  • Bancos e caixas eletrônicos: 17
  • Garagem de ônibus: 01
  • Estação de Metrô: 01
  • Correios: 01
  • Outros: 135

Criminosos: 231

  • Presos: 124
  • Mortos em confrontos: 107

Armas apreendidas pelas polícias Civil, Militar e Guarda Municipal: 146

Mortos: 45

  • Policiais Militares: 23
  • Policiais Civis: 07
  • Guardas Municipais: 03
  • Agentes de Segurança Penitenciária (ASP): 08
  • Cidadãos: 04

Feridos: 54

  • Policiais Militares: 22
  • Policiais Civis: 06
  • Guardas Municipais: 08
  • Agentes de Segurança Penitenciária (ASP): 02
  • Cidadãos: 16

 

Fonte:Secretaria de Segurança Pública de São Paulo

Do Estadão

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,receita-descarta-interesse-politico-na-atuacao-de-servidoras,601273,0.htm

Receita descarta interesse político na atuação de servidoras

BRASÍLIA – O secretário da Receita Federal, Otacílio Cartaxo, e o corregedor-geral da Receita, Antônio Carlos Costa D’Ávila, descartaram há pouco qualquer interesse político por parte das duas servidoras, da delegacia do fisco em Mauá, na quebra ilegal dos sigilos fiscais de quatro pessoas ligadas ao PSDB. Apesar de acusá-las no envolvimento do esquema de venda de dados fiscais e indiciá-las por isso, o comando da Receita afirma que não há conotação política na atuação delas.

O eleitor já não vê com bons olhos a troca de ataques. Ele busca conteúdo prático

A verdade é que,neste duro momento para a campanha de Serra,um fato político novo viria bem a calhar…

Afinal,algo tem que ocorrer para reverter a tendência de queda. E queda livre.

É triste ver uma campanha política pautada por ataques.

Já vimos a publicação de uma ficha criminal falsa de candidata. Vimos candidato a vice acusando oponente de envolvimento com as Farc e o narcotráfico (e não provando o fato)…

Acreditamos que o brasileiro mereça uma campanha política mais íntegra. Uma campanha pautada por idéias,por alternativas.

O candidato deve passar ao eleitor segurança e equilíbrio. Deve se pautar no que realmente importa para o cotidiano do cidadão. 

Qualquer coisa que fuja disso é correr risco. É dizer que o eleitor não tem maturidade.

E o eleitor está atento para dar sua resposta…

Veja também:

https://tonigumauskas.wordpress.com/2010/07/20/a-resposta-foi-clarapsdb-e-conivente-com-indio/

 

Somente a imagem da favela de mentira,já seria razão para tratar com escárnio uma peça publicitária de tamanha falta de sensibilidade.

Ainda mais quando o candidato está em queda livre nas pesquisas eleitorais…

E acaba de sair a última pesquisa DataFolha.

Os números são dramáticos…Para o candidato tucano.

Veja:

http://www1.folha.uol.com.br/poder/788972-dilma-abre-20-pontos-e-ja-ultrapassa-serra-em-sp-e-no-rs.shtml?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Dilma abre 20 pontos e já ultrapassa Serra em SP e no RS

26/08/2010

A candidata do PT a presidente, Dilma Rousseff, manteve sua tendência de alta e foi a 49% das intenções de voto. Abriu 20 pontos de vantagem sobre seu principal adversário, José Serra, do PSDB, que está com 29%, segundo pesquisa Datafolha. Os contratantes do levantamento são a Folha e a Rede Globo.

Realizada nos dias 23 e 24 com 10.948 entrevistas em todo o país, o levantamento também indica que Dilma lidera agora em segmentos antes redutos de Serra.

Em São Paulo, Estado governado por Serra até abril e por tucanos há 16 anos, Dilma saiu de 34% na semana passada e está com 41% agora. O ex-governador caiu de 41% para 36%.
Na capital paulista, governada por Gilberto Kassab (DEM), aliado de Serra, ela tem 41% e ele, 35%.

Falando em Zé,talvez esteja na hora de lembrar um velho apelido do tucano…

Zé Ladeira.

Ganhador dos principais prêmios de Jornalismo,Lúcio Flávio é também bastante perseguido.

Ele não foi ao 1º Encontro Nacional dos Blogueiros Progressistas.

Não foi, pois na segunda-feira teve de apresentar agravo a um dos vários processos do qual é alvo.

Em seu lugar veio o filho,Angelim Pinto,que leu ao blogueiros as palavras do pai.

Segue o texto da carta aos blogueiros,que todos se comprometeram a publicar.Foi emocionante….

“Caros amigos blogueiros Sinto-me muito honrado pelo convite, que devo ao Azenha e à Conceição Lemes, para participar deste encontro. É uma iniciativa generosa e gentil para com um analfabeto digital, como eu. Garanto que sou capaz de ligar e desligar um computador, de enviar e receber mensagens. Não garanto nada a partir daí.

Como, então, estou aqui? Sou – digamos assim – um blogueiro avant la léttre. Não podendo ser um tigre, posto que sou Pinto, fui precursor na condição de blogueiro de papel – e no papel. Às vezes, por necessidade, também um tigre in fólios – e nada mais do que isso.

Em 1987, eu tinha 38 anos de idade e 22 de profissão e me vi diante de um dilema.

Numa vertente, a carreira profissional bem assentada em O Estado de S. Paulo, então com 16 anos de “casa”, e também no grupo Liberal, a maior corporação de comunicação do norte do país, no qual tinha 14 anos, com um rompimento pelo meio, quando tentaram me censurar, logo superado pelo restabelecimento da minha liberdade de expressão.

Na outra vertente, uma matéria pronta, importante, mas que não encontrava quem a quisesse publicar. Era o desvendamento do assassinato do ex-deputado estadual Paulo Fonteles, por morte de encomenda, executada na área metropolitana de Belém, o primeiro crime político em muitos anos na capital do Pará. O Estadão publicara todas as matérias que eu escrevera até então sobre o tema. Mas aquela, que arrematava três meses de dedicação quase exclusiva ao assunto, era, segundo o editor, longa demais.

O Liberal a considerava impublicável porque ela apontava como envolvidos ou coniventes com a organização criminosa alguns dos homens mais poderosos da terra, dois deles listados entre os mais ricos. Eram importantes anunciantes. Ao invés de me submeter, decidi ir em frente.

Aí, há 23 anos nascia o Jornal Pessoal, sem anunciantes, feito unicamente por mim, assemelhando-se aos blogs de hoje. Um blog impresso no papel, que exerceu na plenitude o direito de proclamar a verdade, sobretudo as mais incômodas aos poderosos.

Em janeiro de 2005, depois de muitas ameaças por conta desse compromisso, fui espancado por Ronaldo Maiorana, um dos donos do grupo Liberal, que na época era simplesmente o presidente da comissão em defesa da liberdade de imprensa da OAB do Pará. Eu estava almoçando ao lado de amigos em restaurante situado num parque público de Belém, quando agressor me atacou pelas costas, contando com a cobertura de dois policiais militares, que usava – e continua a usar – como seus seguranças particulares.

Qual a causa da brutalidade? Um artigo que publiquei dias antes sobre o império de comunicação do agressor. O texto não continha inverdades, não era ofensivo, nem invadia a privacidade dos personagens. Mas desagradava aos senhores da comunicação. Embora tendo a emissora de televisão de maior audiência do Estado, afiliada à Rede Globo, o jornal que ainda era o líder do segmento (já não é mais) e estações de rádio, não usaram seus veículos para me contraditar ou mesmo atacar com o produto que constitui seu negócio, a informação.

O que resultou dessa agressão? Da minha parte, a comunicação do fato à polícia, que enquadrou o criminoso na forma da lei. Mas o agressor fez acordo com o Ministério Público do Estado, entregou cestas básicas a instituições de caridade (uma delas ligada à família Maiorana) e permaneceu solto, com sua primariedade criminal intacta. Já o agressor, com a cumplicidade do irmão mais velho e mais poderoso, ajuizou contra mim 14 ações na justiça, nove delas penais, com base na Lei de Imprensa da ditadura militar, e cinco de indenização.

O objetivo era óbvio: inverter os pólos, fazendo-me passar da condição de vítima para a de réu. Em quatro das ações eu era acusado de ofender os irmãos e sua empresa por ter dito que fui espancado, quando, segundo eles, eu fui “apenas” agredido. Mais um dentre vários absurdos aviltantes, aos quais a justiça paraense se tem prestado – e não apenas aos Maiorana, já que me condenou por ter chamado de pirata fundiário o maior grileiro de terras do Pará e do universo, condição provada pela própria justiça, que demitiu por justa causa todos os funcionários do cartório imobiliário de Altamira, onde a fraude foi consumada, colocando ao alcance do grileiro pretensão sobre “apenas” cinco milhões de hectares.

Os poderosos, que tanto se incomodam com o que publico no Jornal Pessoal, descobriram a maneira de me atingir com eficiência. Já tentaram me desqualificar, já me ameaçaram de morte, já saíram para o debate público e não me abateram nem interromperam a trajetória do meu jornal. Porque em todos os momentos provei a verdade do que escrevi. Todos sabem que só publico o que posso provar. Com documentos, de preferência oficiais ou corporativos. Nunca fui desmentido sobre fatos, o essencial dos temas, inclusive quando os abordo pioneiramente, ou como o único a registrá-los. Não temo a divergência e a contradita. Desde então, os Maiorana já me processaram 19 vezes.

Nenhuma das sentenças que me foram impostas transitou em julgado porque tenho recorrido de todas elas e respondido a todas as movimentações processuais, sem perder prazo, sem deixar passar o recurso cabível, reagindo com peças substanciais. O que significa um trabalho enorme, profundamente desgastante.

Desde 1992, quando a família Maiorana propôs a primeira ação, procurei oito escritórios de advocacia de Belém. Nenhum aceitou. Os motivos apresentados foram vários, mas a razão verdadeira uma só: eles tinham medo de desagradar os poderosos Maiorana. Não queriam entrar no seu índex. Pretendiam continuar a brilhar em suas colunas sociais, merecer seus afagos e ficar à distância da sua eventual vendetta. Contei apenas com dois amigos, que se sucederam na minha defesa até o limite de suas resistências, de um tio, que morreu no exercício do meu patrocínio, e, agora, com uma prima, filha dele.

Apesar de tantas decisões contrárias, ainda sustento minha primariedade. Logo, não posso ser colocado atrás das grades, objeto maior do emprenho dos meus perseguidores. Eles recorrem ao seu cinto de mil utilidades para me isolar e me enfraquecer.

Não posso contar nem mesmo com o compromisso da Ordem dos Advogados do Brasil. Seu atual presidente nacional, o paraense Ophir Cavalcante Júnior, quando presidente estadual da entidade, firmou o entendimento de que sou perseguido e agredido não por exercer a liberdade de imprensa, o direito de dizer o que sei e o que penso, mas por “rixa familiar”.

No entanto, dos sete filhos de Romulo Maiorana, criador do império de comunicações, só três me atacam, com palavras e punhos. Dos meus sete irmãos, só eu estou na arena. Nunca falei da vida privada dos Maiorana. Só me refiro aos que, na família, têm atuação pública. E o que me interessa é o que fazem para a sociedade, inclusive no usufruto de concessão pública de canal de televisão e rádio. E fazem muito mal a ela, como tenho mostrado – e eles nunca contraditam.

Crêem que, me matando em vida, proibindo qualquer referência a mim e meus parentes, e silenciando sobre tudo que fazem contra mim na permissiva e conivente justiça local, a história dessa iniqüidade jamais será escrita porque o que não está nos seus veículos de comunicação não está no mundo. Não chegaria ao mundo porque o controlam, a ponto tal que tem sido vão meu esforço de fazer a Unesco, que tem parceria com a Associação Nacional de Jornais, incluir meu caso na relação nacional de violação da liberdade de imprensa.

O argumento? Não se trata de liberdade de imprensa e sim de “rixa familiar”. O grupo Liberal, por mera coincidência, é um dos seis financiadores do portal Unesco/ANJ.

Após os Maiorana, o dilúvio. A maior glória do Jornal Pessoal é nunca ter sido derrotado no terreno que importa à história: o da verdade. Enquanto for possível, as páginas do Jornal Pessoal continuarão a ser preenchidas com o que o jornalismo é capaz de apurar e divulgar, mesmo que, como um Prometeu de papel, o seu ventre seja todo extirpado pelos abutres.

Eles são fortes, mas, olhando em torno, vejo que há mais gente do outro lado, gente que escreve o que pensa, apura sobre o que vai escrever e não depende de ninguém para se expressar, mesmo em condição de solidão, de individualidade, como os blogueiros, que hoje, generosamente, me acolhem nesta cidade que fiz minha e que tanto amo, como se estivesse na minha querida Amazônia.”

Enquanto isso,tinha gente querendo aparecer…

Domingo (22) teve a passeata “Humor sem Censura”, na Praia de Copacabana (RJ).

Até cafajeste participou.Ou como poderíamos classificar o fato de desenhar uma senhora como prostituta…

Como “humor”?

Não é humor. É um verdadeiro escárnio…

 

Memória.

Isso faz parte do perfil desejável para um governante.

Afinal,um povo não merece ver seu líder como alvo de chacotas.

E merecidas.

Veja:

E veja também:

https://tonigumauskas.wordpress.com/2010/05/07/psdb-e-pt-dividindo-o-governo-e-possivel/

Mais que justo.Natural…

Leonel Brizola (*1922 /+2004) era governador do Rio Grande do Sul quando da renúncia do presidente Jânio Quadros, em agosto de 1961. Foi ele quem comandou a resistência civil às pretensões golpistas dos militares e segmentos conservadores e oligárquicos da classe política de impedir a posse do vice-presidente constitucionalmente reeleito, pelo voto legítimo popular, João Goulart, ocasião em que corajosamente deflagrou a chamada “Campanha da Legalidade”.

Quando ocorreu o golpe militar de 1964,Brizola tentou organizar uma resistência ao golpe a partir do Rio Grande do Sul, para onde se dirigiu João Goulart no dia 2 de abril de 1964; Jango preferiu não ouvir os conselhos de Brizola e general Ladário Telles, que desejavam a luta armada e preferiu sair do Brasil rumando para o exílio no Uruguai. Sem apoio, Brizola também foi para lá, onde viveu alguns anos, até ser perseguido naquele país, por intervenção do regime militar brasileiro. Seu nome estaria na primeira lista de cassados pelo Ato Institucional Número Um, em 10 de abril de 1964, junto com 102 pessoas, incluindo João Goulart, Jânio Quadros, Luís Carlos Prestes e Celso Furtado.

Bastante prejudicado pela grande mídia,Brizola conseguiu denunciar um esquema de fraude eleitoral as eleições de 1982.O episódio ficou conhecido como “Caso Proconsult” e envolveria diretamente as Organizações Globo.

http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=283ASP005

Enquanto muitos fugiam da poderosa mídia,capaz de destruir vidas e reputações em segundos.Brizola sempre esteve no front de batalha.

Muitos o chamariam ‘louco’.Talvez…

Ele não tinha a inclusão digital para contrapor à grande mídia.As grandes redes sociais não existiam na época.

Lutar contra um império,praticamente desarmado…De fato parece loucura.

Coisa de louco.Ou de GUERREIRO!

Em quase oito anos,Serra e seu partido se colocaram contra o atual governo.E agora?O que vão dizer?

Do Estadão

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100821/not_imp598220,0.php

Serra defende uso da imagem de Lula no seu programa no horário eleitoral

21 de agosto de 2010

O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, defendeu ontem a exibição de imagens suas com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no horário eleitoral gratuito. “Não sei por que estão se incomodando”, reagiu o tucano.

“Só dissemos que eu e Lula somos políticos experientes, é uma verdade. Que nossos nomes têm história, outra verdade. Por último, que eu tenho mais vivência do que Dilma, mais uma verdade indiscutível”, afirmou Serra, em entrevista ontem em Manaus (AM), depois de almoço com empresários.

Incontestável é que Lula,ao ser eleito em 2002,não tinha a experiência de Dilma (Ministra das Minas e Energia,Ministra Chefe da Casa Civil e figura vital nos principais programas sociais do Governo Lula).

E,apesar de não ter vasta experiência administrativa,Lula conseguiu maciça aprovação popular em seu governo.

Dizer que Dilma não tem história…Isso é,no mínimo faltar com a verdade.

Dilma há 30 anos era brizolista e trabalhava pela criação do PDT.Ela morava em Porto Alegre e militava ao lado de Leonel Brizola e outros líderes trabalhistas.

“Estávamos com o Brizola retornando do exílio,que tinha na sigla PTB sua principal ferramenta.Fizemos a resistência democrática no MDB,Dilma vinha da luta armada.Quando Brizola retornou,nos reunimos no PTB.Quando foi para fazer a oficialização da sigla,Golbery e Ivete Vargas (sobrinha de Getúlio) nos tiraram a sigla.O momento mais dramático do trabalhismo autêntico.” Segundo Alceu Collares.

O mesmo PTB que hoje,presidido pelo deputado cassado Roberto Jefferson,apoia Serra.

Vale frizar que experiência eleitoral não é o mesmo que experiência administrativa.

Experiência administrativa Dilma tem.E está comprovado.

Serra tem que apresentar propostas de governo.Dilma apresenta uma realidade.

E a realidade faz com que Serra queira aparecer ao lado do atual presidente.

Lamentável…


Do Estadão

http://www.estadao.com.br/noticias/geral,familia-de-mercia-pedira-justica-em-manifestacao-em-sp,597412,0.htm

Família de Mércia pedirá justiça em manifestação em SP

19 de agosto de 2010

Familiares e amigos da advogada Mércia Nakashima, encontrada morta no dia 11 de junho, programaram para a tarde de amanhã uma manifestação em frente ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), na região central da capital paulista. Segundo Claudia, irmã da vítima, cerca de duas mil camisetas com a foto de Mércia já foram distribuídas aos participantes. “Além das camisetas, os manifestantes estarão com cartazes e faixas pedindo que se faça justiça”, explica.

“Nós criamos o ”Movimento Justiça e Paz” e vamos contar com a presença de mulheres e familiares que tiveram o mesmo sofrimento que nossa família, como por exemplo Masataka Ota, pai do menino Yves Ota, assassinado aos 8 anos, em 1997, após ser sequestrado”, conclui.

Além da manifestação, está programada uma missa às 8 horas do sábado na Igreja Matriz de Guarulhos, na grande São Paulo. Depois da cerimônia, a família pretende fazer uma caminhada pelas ruas do centro da cidade.

A manifestação é hoje (20).

E a justiça? Que resposta tem dado à sociedade?

O que vemos é uma verdadeira bagunça…

Todo mundo livre…E a Mércia?

E sua família?

Vemos o total descrédito em nossas instituições.

Do Portal G1

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2010/08/justica-concede-habeas-corpus-para-mizael-acusado-pela-morte-da-ex.html

Justiça concede habeas corpus para Mizael, acusado pela morte da ex

Ele era procurado desde o dia 3; com a decisão, não é mais foragido.
Advogado comemorou a decisão e disse que Mizael ‘vai aparecer’.

Lógico! Agora ele aparece…

E se for,realmente,condenado.O que podemos esperar do ex PM?

Afinal,ele já fugiu pela segunda vez,e a justiça não levou em conta o fato.

A sociedade sangra.

E não sabemos quanto sangue ainda resta.

Quantas Mércias ainda devam morrer…

Veja também:

https://tonigumauskas.wordpress.com/2010/06/12/mercia-nakashimadigitais-identificaram-a-vitimatambem-identicarao-a-autoria/

Eles darão governabilidade ao país.E…Eles sabem o que é isso?

“O que faz um deputado federal?” O candidato pergunta.

E ele mesmo responde:

“Na realidade eu não sei”.

Absurdo?Não.Democracia.

A Democracia que permite ao eleitor fazer um voto de protesto.Porém,ao protestar,seria desejável que o eleitor buscasse alternativas.

E vejam as alternativas:

O festival é algo assustador…E,vai desde imitações toscas do médico e político Enéas Carneiro (*1938/+2007),passando por agulhadas,ex-jogadores,pugilistas chegando ao divertido Tiririca.Temos até a Mulher Pêra mandando beijo (já pensou se mandasse a pêra?).

Tem pai elogiando o filho,esposa elogiando o marido,irmão elogiando…

O elogio maior aqui,deve ser para nossa Democracia.Ela permite que todos se manifestem.

Também permite ao cidadão,o direito à informação.

Faça valer seu direito e informe-se!

O Brasil depende de seu julgamento…

O homem que,no governo de SP,lançou mão do autoritarismo.Ele estaria disposto a fazer oposição construtiva?

Do portal G1

http://g1.globo.com/especiais/eleicoes-2010/noticia/2010/08/vox-populi-aponta-vantagem-de-16-pontos-de-dilma-sobre-serra.html

Vox Populi aponta vantagem de 16 pontos de Dilma sobre Serra

17/08/10

De acordo com o levantamento, divulgado pela TV Bandeirantes, Dilma tem 45% das intenções de voto e José Serra, 29%. Marina Silva (PV) aparece com 8%.

Na pesquisa anterior do instituto, divulgada em 23 de julho, Dilma tinha 41%, Serra aparecia com 33% e Marina tinha os mesmos 8%.

Neste cenário,se a eleição ocorresse hoje,a petista estaria eleita no primeiro turno.

O que seria feito de Serra?

Ainda levando em conta tal resultado.Em 2014,o presidenciável tucano seria Aécio (com menor índice de rejeição).Restaria SP,porém,caso Alckmin seja eleito,veremos a natural corrida por sua reeleição.

Resta,por último,a prefeitura de SP (aquela desprezada pelo tucano).

Dessa vez,ao menos,chegará ao término de seu mandato…

Na conservadora São Paulo,Serra é favorito. A mesma São Paulo que já fez de Maluf imbatível.

E,da capital paulista,poderá assumir postura semelhante a de Carlos Lacerda (líder da velha UDN).

Lacerda,que tentou dar o golpe em Getúlio e em Jânio.

Ele que,não fosse a interveção do movimento 11 de setembro (liderado pelo general Teixeira Lott)teria,com a ajuda de militares golpistas,impedido a posse de Juscelino (eleito democraticamente).

Ele que,ao lado dos militares,conseguiu ferir de morte nossa democracia.Foi um dos líderes civis do golpe militar de 1964.

Lacerda,fotografado onde sempre esteve.Nos braços dos milicos (foto tirada após o atentado que culminaria com a morte de Getúlio)

Ele era da imprensa e a utilizava politicamente.

Hoje vemos a imprensa ser novamente utilizada de forma política.

A imprensa já foi utilizada como intrumento de manipulação.Não podemos permitir que se repita

Veja também:

http://www.politicaparapoliticos.com.br/interna.php?t=757260

e

http://educaterra.terra.com.br/voltaire/500br/vargas_agosto548.htm

Em 2002 Serra perdeu para Lula no segundo turno.Podemos ver agora o tucano perder de forma ainda mais dura

Quando um time vai mal em uma competição,as reclamações são constantes.

Geralmente é o início de uma crise.

Treinadores,jogadores e dirigentes são criticados.

Cabeças rolam…

É o que acontece,pois todos querem vencer.

Ao perdedor,resta buscar um responsável pela derrota…

É assim no esporte.Na política vemos que não é diferente.

Veja:

http://colunas.epoca.globo.com/comserra/2010/08/03/juventude-dem-campanha-serra-twitter/

Juventude do DEM diz que está difícil trabalhar pra Serra

http://www.jusbrasil.com.br/politica/5355296/panfletos-de-candidatos-do-psdb-nao-mencionam-jose-serra

Panfletos de candidatos do PSDB não mencionam
José Serra

http://www1.folha.uol.com.br/poder/758229-yeda-omite-nome-de-serra-em-evento-e-diz-que-foi-lapso.shtml

Yeda omite nome de Serra em evento e diz que foi lapso

Vemos,na verdade,muitos aliados temerosos em combater diretamente o atual governo e seus projetos sociais.

Temerosos em perder votos.

E,com isso,vemos um Serra cada vez mais solitário.